BLOG, CULTURA

Caetano Veloso sobre Khrystal: “Dicção de diamante”

A cantora e compositora potiguar Khrystal vem colhendo elogios rasgados e críticas positivas de sua performance como uma das protagonistas do musical Elza, no qual ela e mais seis cantoras e atrizes negras acompanhadas por uma banda formada por mulheres interpretam a cantora Elza Soares. O espetáculo segue em cartaz no Rio de Janeiro e tem emocionado o público.

O mais recente elogio público à perfomance da cantora potiguar foi de Caetano Veloso. O compositor baiano se referiu à Khrystal como a cantora que tem “dicção de diamante”. E ainda completou: “E como canta!”

Khrystal tem mais de 18 anos de carreira e três discos lançados (“Coisa de Preto”/2007; “Dois Tempos”/2012 e; “Não deixe para amanhã o que pode deixar pra lá”).

As sete atrizes e cantoras negras que interpretam Elza no musical são Larissa Luz, Janamô, Júlia Dias, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim.

Leia o texto que Caetano Veloso publicou na página dele no Facebook:

Fui ver Musical Elza com sete atrizes e uma banda toda formada por mulheres. Fiquei emocionado demais a partir da canção de Chico Buarque, aquela que diz “O sol ensolarará a estrada dela”. Sempre me espalho pelo espaço infinito quando ouço, leio ou penso esse verso. Mas ali a emoção começou bem antes da frase chegar: Chico é a coisa mais intensa que há em nossa canção. Fazia tempo que eu não ouvia esse samba e às primeiras palavras e notas eu já estava chorando. Na verdade, nem pude me preparar para a chegada do verso, nem pude me lembrar de que ele viria. Dali em diante, tudo o que de cara parecia ser bom no espetáculo – as moças escolhidas, o fato de só uma delas imitar voz e trejeitos de Elza Soares, a firmeza da banda, a oportunidade dos efeitos de luz – tornou-se transcendental para mim. Quando Késia Estácio acabou de cantar Dindi eu dei um grito involuntário. Larissa Luz, baiana que eu conhecia e não reconheci, é a única que reproduz a voz e o sotaque corporal de Elza – minuciosamente observados em vídeos e reproduzidos com fidelidade mesmo que a atriz/cantora deixe que se perceba o trabalho: é uma baiana falando carioca. Esse retrato figurativo se torna ainda mais belo pelo contraste com as outras seis Elzas: estas têm sotaques do extremo nordeste, da Bahia, de minas, do Rio. 

#Khrystal tem dicção diamante de Natal (e como canta!; #JuliaDias#LaislaCorte e Janamô são mineiras (em música, ser de Minas já diz tudo); Verônica Bonfim é baiana, como Larissa, e tem o que a baiana tem. Késia é a única carioca! Todas cantam, falam e se movem bonito. A banda, toda formada por mulheres, é perfeita. Queria falar mais, mas não sei quem é quem. Todas são ótimas: Antônia Adnet, Georgia Camara, Guta Menezes, Neila Kadhí, Marfa e Priscilla Azevedo. A trompetista surpreende com um solo jazzístico de primeira. Amo tanto Pedro Luiz quanto Letieris Leite: não sei a quem agradecer mais pela qualidade dos arranjos. Vi tudo isso com as lágrimas de “Dura na queda” ainda nos olhos. Vinicius Calderoni Duda Maia foram tocados pelo divino. A mulher brasileira, o povo negro brasileiro, o músico brasileiro estão vingados. Pode-se até crer em bom futuro. Não é brincadeira! 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *