CAPA, DEMOCRACIA

Comandante dos Bombeiros exonerado acusa Robinson de ilegalidade

O Governo do Estado tem mais uma crise para administrar na área de Segurança Pública. O comandante do Corpo de Bombeiros Luiz Monteiro da Silva Júnior acusou o governador Robinson Faria de pressioná-lo para liberar uma festa privada, na Shock Casa Show, sem que o estabelecimento tivesse condições de segurança. A negativa de Monteiro em liberar a casa custou a exoneração dele do cargo. O evento ocorreu sábado (12), mesmo sem liberação.

Promovida pela rádio 96 FM e Valmir Mendonça Produções, se apresentaram na festa Forró & Paixão as bandas Júnior Vianna, Banda A Loba e Bonde do Brasil.

Num áudio que circulou pela rede whatsaap enviado a um grupo de discussão nesta terça-feira (15), cujo teor foi confirmado por Monteiro à imprensa, o agora ex-Comandante deixou claro que Robinson, mesmo informado que a Shock Casa Show não tinha condições de receber o evento, determinou a liberação. Mesmo ameaçado de perder o cargo, Monteiro manteve a decisão de interditar o estabelecimento.

Diz um trecho do áudio:

– Foi uma interdição onde a gente procurou viabilizar o evento porque tinha o interesse do Governo, mas entrou no campo que a lei impedia, entendeu ? Aí saiu do campo discricionário e entrou no campo legal. A decisão tinha que ser técnica e infelizmente o governador não entendeu ao ponto dele ligar já determinando que a gente liberasse o evento e eu tive que explicar ainda meio sem conseguir explicar porque ele estava muito alterado… o posicionamento final foi que ia permanecer interditado e ele disse que ia me exonerar, e assim o fez. Infelizmente a gente comandar dessa forma é bem complicado. E olha que a gente tentou muito ajudar, inclusive analisamos o projeto já na sexta, sábado de manhã, sábado de tarde e sábado de noite e os caras ainda não tinham conseguido se regularizar. E tínhamos que tomar aquela atitude (interdição).

De acordo com o auto de interdição, o responsável pelo evento não protocolou junto ao Corpo de Bombeiros projeto de proteção contra incêndio e pânico, item fundamental para a constatação das condições de seguranças necessárias a um evento de tal porte, como também não possui atestado de vistoria do Corpo de Bombeiros das estruturas fixas, exigência necessária para eventos do tipo.

A exoneração do coronel Monteiro foi publicada nesta terça-feira (15), no Diário Oficial do Estado.

Em nota, o Governo do Estado desmentiu o ex-Comandante do CBM e justificou a exoneração como medida hierárquica:

O Governo do RN informa que não houve qualquer pedido do Governador Robinson para descumprimento de competências legais por parte do comando do Corpo de Bombeiros. Em situações semelhantes já ocorridas, como por exemplo quando o Corpo de Bombeiros interditou a Festa do Boi, um evento do próprio Governo, o Governador não fez qualquer interferência e nem exonerou ninguém do comando.

O Governo ressalta que a troca no comando do Corpo de Bombeiros foi meramente técnica, não tendo qualquer conexão com o suposto fato. A questão não foi de legalidade e sim de hierarquia. O Governador Robinson não apoia nada ilegal.

A Associação dos Oficiais Militares também se manifestou por meio de nota de desagravo. A entidade demonstrou indignação com a postura do Governo e solidarizou com o Luiz Monteiro. Leia a nota na íntegra:

NOTA DE DESAGRAVO

O Diário Oficial, edição de hoje, traz, para surpresa e indignação da família Militar, a exoneração do coronel Monteiro Júnior, do cargo de Comandante Geral do CBM/RN, um dos mais bem conceituados coronéis daquela instituição.

 O Executivo, em mais uma mostra de total desrespeito aos militares e a sociedade, exonera sem qualquer explicação.

 O povo do Rio Grande do Norte assiste, revoltado, ao espetáculo macabro em que os gestores das nossas Corporações Militares são simplesmente execrados publicamente, destituídos de suas funções, apenas por, em respeito à técnica e à sociedade, não rezarem na cartilha do poder político, não atenderem a vontade de guetos do Poder.

 No caso específico, uma curiosidade nos deixa perplexo: certamente é a primeira vez que uma corporação militar fica sem comandante. Isso mesmo, o ataque de fúria que exonerou o até então Comandante Geral do Corpo de Bombeiros do RN, sequer designou o seu substituto.

Dessa forma, o atual governo relativiza a máxima inegociável das instituições militares, que determinava, até ontem, que “o comandante pode até morrer, mas o comando nunca morre”.

Ao Coronel Luiz Monteiro da Silva Júnior, ex Cmt Geral do Corpo de Bombeiros do RN, nosso irrestrito apoio e mais completa solidariedade.

 Associação dos Oficiais Militares do RN

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *