CAPA, CULTURA

Francisco, El Hombre faz protesto com músicos nus em Natal

“Sem armas, sem medo e sem roupas”. Foi assim que a banda Francisco, El Hombre chegou ao palco do Festival Mada – Música Alimento da Alma, em Natal, no sábado (13). Sob aplausos da plateia que desde a noite anterior se unia em atos contra o fascismo durante as apresentações, Sebastián, Mateo, Juliana e Rafael apareceram vestindo apenas as letras de uma palavra de ordem: lute.

O grupo, que conta ainda com Andrei, após o momento inicial continuou o protesto com o show Soltasbruxa. No telão, a palavra “resistência” insistia em entoar o coro de #EleNão feito pelo público contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro a quem a banda dedica a música “Bolso nada”.

“Somente munidos de ideias e armados de instrumentos. Falemos nós todes, levante você também sua voz. Não tenha medo de mostrar quem você é. Gritemos até o último instante. O fascismo já dominou várias vezes mas todas as vezes também caiu”, diz legenda de foto publicada em conta no Instagram da banda após o show. “Sem medo, estamos todes juntes. A história nos julgará”, concluem a mensagem.

A maioria das músicas, que tem sonoridade latina, tem cunho político. Um convite especial foi feito às mulheres para se unirem durante a canção “Triste, louca ou má”. A morte da vereadora carioca Marielle foi lembrada e um pedido lançado: nenhuma a menos.

Marielle também esteve presente no show de Baiana System, assim como Mestre Moa do Katendê, vítima da intolerância dos seguidores de Bolsonaro. O beatmaker Rincon Sapiência avisou que seria redundante e foi repetindo várias vezes “ele não”, em rechaço a Bolsonaro.

A atração mais esperada da noite, a banda escocesa Franz Ferdinand, também se pronunciou discretamente sobre o momento atual do país. Ao dizer que o Brasil é um lugar fácil de amar pela diversidade do seu povo, fez um alerta: “Cuidado com os demagogos”.

O Mada

Com esta edição, o Festival Mada completou 20 anos, com mais de 600 apresentações de bandas e artistas independentes.. Na sexta-feira (12) havia recebido atrações como Pitty, Cordel de Fogo Encantado e Nação Zumbi.

O Mada se tornou referência por ser um festival subsidiado capaz de ancorar essas produções que jamais chegariam aqui em um circuito mais comercial. Na 20ª edição teve patrocínio do Governo do RN e Lei Câmara Cascudo, Coca-Cola, Café Santa Clara e Comjol, além de apoio de FBA, Intertv Cabugi, Fundação José Augusto e Ballantine’s.

O festival também atua na área do audiovisual com o Festival Curta Natal de Cinema e Vídeo e o perfil formador com o Mada Faz Escola. O evento também inspirou o surgimento de outras ações musicais no Estado e incremento da cena local.

Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *