CAPA, DEMOCRACIA

Para Fátima, Mineiro e Natália atuação de Moro é continuidade do golpe

Poucas horas depois das primeiras notícias sobre a decisão do desembargador Rogério Favretto em favor da liberdade do ex-presidente Lula, a militância petista foi às ruas em pontos movimentados das cidades brasileiras. Em Natal, um grupo grande de filiados ao PT e simpatizantes de Lula se concentrou nas proximidades da feirinha de Ponta Negra, na Zona Sul da cidade. Com bandeiras, faixas e cartazes, os petistas ouviram buzinas de apoio dos motoristas que passaram pela região.

Após o ato improvisado, parlamentares do PT no Rio Grande do Norte se manifestaram sobre a interferência do juiz Sérgio Moro na decisão do habeas corpus expedido em favor do ex-presidente Lula e cassado horas depois de forma ilegal.

Pré-candidata ao Governo do Estado, a senadora Fátima Bezerra ficou claro que a prisão de Lula faz parte de “um jogo de cartas marcadas”:

 – Quando Sérgio Moro insiste na manutenção da prisão de Lula fica claro o jogo de cartas marcadas por setores do judiciário brasileiro. Para a população, isso ficou escancarado que Lula, na verdade, é um preso político. Estamos vivendo tempos de imensos retrocessos no país, de triste memória, tempos do “eu prendo” e do “eu arrebento”. Mas continuaremos firmes na defesa da liberdade de Lula e na defesa da resistência pela democracia.

Saiba Mais: Interferência de Sérgio Moro em HC de Lula revela preferências do Judiciário

Pré-candidato à deputado federal, Fernando Mineiro publicou um artigo nas redes sociais no qual afirma que o país viveu “um golpe dentro do golpe”. Para o deputado estadual, a população não pode esquecer que os ataques à democracia tem um apoio da mídia empresarial. O que está em jogo, segundo ele, é o futuro político do país:

 – No dia 8 de Julho de 2018, atendendo a interesses de outras aves de rapina, o país assistiu à versão contemporânea do golpe dentro do golpe, no mais duro ataque ao que nos restava de Estado de Direito. Com uma diferença: em vez de fardas militares, os ditadores de hoje usam togas. O braço golpista do Judiciário — em clara sintonia com a mídia oligopolizada — não vacilará na missão a que se propôs: tirar Lula da disputa eleitoral a todo custo, mesmo que isso signifique a destruição dos mais elementares direitos constitucionais. O escancaramento da posição do Judiciário partidarizado exige uma mudança de atitude de quem compreende a democracia como um valor fundamental. Não são concepções jurídicas que estão em disputa no Brasil. Vivemos tempos de intensa e decisiva disputa política sobre os rumos e caminhos que nosso país seguirá nos próximos anos.

Saiba Mais: “Foi revelada a individualidade ideológica de cada um”, avalia Erick Pereira

Mestre em Direito Constitucional pela UFRN, a vereadora de Natal e pré-candidata à deputada federal Natália Bonavides enviou um áudio pelas redes sociais para explicar, de forma didática, o que está em jogo. Bonavides destacou que só há duas coisas a fazer diante de decisões judiciais: cumprir ou recorrer. Ao cassar a decisão de um colega, o desembargador Gebran Neto cometeu uma ilegalidade.

 – Não é assim que a democracia funciona. O que vimos foi um conluio entre Sérgio Moro e o presidente do TRF Thompson Flores para impedir a liberdade de Lula. Foi um absurdo o que Gebran fez ao rasgar as regras do Tribunal. Era o plantonista quem tinha a prerrogativa. O consórcio golpista está manobrando descaradamente porque não querem que Lula seja candidato. Só quem respeita as regras é Lula, mesmo se entregando embora milhões de pessoas considerem sua prisão ilegal. Precisamos escrachar para a população esse processo. Hoje (domingo) foi um dia muito importante nessa denúncia. Da nossa parte, precisamos ir às ruas. O povo está com a gente.

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *