TRANSPARÊNCIA

Reajuste da tarifa de ônibus é suspenso e decisão sobre novo valor será anunciado dia 3

Anúncios

O prefeito Álvaro Dias (MDB) revogou o decreto que ele mesmo assinou reajustando a tarifa de ônibus em Natal. A decisão foi anunciada na tarde desta sexta-feira (28) pelo próprio chefe do Executivo municipal, que recebeu um grupo de líderes estudantis no Palácio Felipe Camarão para fazer o comunicado em conjunto.

O decreto havia sido publicado após o Conselho Municipal de Transporte aprovar na quinta-feira (27) o reajuste da passagem para R$ 4,35. De acordo com Álvaro Dias, a equipe econômica da prefeitura vai estudar um novo valor, cuja decisão será anunciada na próxima semana:

– Reajuste suspenso ! Vamos buscar com a equipe econômica da prefeitura uma solução para diminuir o impacto do reajuste da tarifa de ônibus. Daremos uma nova posição na próxima terça-feira. Vamos ainda continuar a análise para ver se existe alguma possibilidade de melhorar mais ainda o preço da passagem no transporte coletivo da cidade do Natal.

 Antes do anúncio por Álvaro Dias, os estudantes organizados por sete entidades se reuniram na praça 7 de Setembro, em frente a Prefeitura, para debater estratégias de barrar o reajuste. Na plenária, ficou definido um calendário de mobilizações para a próxima semana, que inclui manifestação na quarta-feira (5), em frente a Câmara Municipal, para pressionar os vereadores, e um novo protesto em frente a Prefeitura de Natal, na quinta-feira (6). A manutenção do calendário, no entanto, está diretamente ligada à decisão da prefeitura sobre o novo valor da tarifa, que será anunciado na terça-feira.

Plenária dos estudantes convocada por sete entidades definiu calendário de mobilizações (foto: Milena Nogueira)

O presidente da UBES Pedro Gorki classificou como “vitória parcial dos estudantes” a suspensão do reajuste. E lembrou que a juventude precisa continuar mobilizada para evitar que a prefeitura aumente a tarifa na próxima semana:

– Na nossa conversa com o prefeito colocamos a questão da segregação que esse reajuste traria, de que quem pode e quem não pode ter acesso à cidade, além do direito à educação. Com essa medida, os estudantes, especialmente os mais pobres, seriam os mais prejudicados. É uma vitória importante, embora parcial, e serve para reafirmarmos que nossa luta vale a pena e que a gente tem que estar firme e atento para denunciar qualquer aumento da tarifa absurdo. Vale também para defendermos o acesso do estudante à educação e defender a cidade, que também é conhecimento”, destacou.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *