Sem categoria

A pergunta de 1 milhão de dólares: Flávio Rocha vai trair o movimento Brasil 200 ?

Flávio Rocha afirmou em fevereiro que sua candidatura à presidência seria uma traição ao Brasil 200
Anúncios

O empresário Flávio Rocha vem admitindo em entrevistas a intenção de disputar a presidência da República nas eleições de outubro. Nesta quarta-feira (21), ele confirmou o desejo à agência Reuters, citando conversas com seis partidos para acertar filiação até 7 de abril.

No início da semana, coube a um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, lançar o dono das lojas Riachuelo à sucessão de Michel Temer. Em artigo publicado pelo jornal Folha de São Paulo, Kataguiri apresentou o empresário como uma espécie de Bolsonaro que entende de economia. “Flávio Rocha é o candidato do MBL”, avisou o jovem, pré-candidato à deputado federal pelo DEM, em São Paulo.

Embora pareça natural na política, as traições não costumam ser facilmente digeridas pelo eleitorado. Em fevereiro, antes de lançar o movimento Brasil 200 em Natal, Flávio Rocha concedeu uma entrevista coletiva para os jornalistas da cidade. Diante da insistência dos repórteres em saber se o empresário toparia disputar a presidência da República, ele afirmou que não. Segundo o dono das lojas Riachuelo, uma eventual candidatura seria, nas palavras dele, “uma traição” ao movimento Brasil 200:

– Seria um grande desserviço, até uma traição a essa grande descoberta, que foi o Brasil 200. Uma candidatura de afogadilho, de última hora… iríamos comprometer todo o poder de influir e de participar do processo que o Brasil 200 está nos abrindo.

Flávio Rocha vem repetindo que o empresário precisa sair da moita.

Faz sentido.

 

Saiba Mais:

MBL anuncia apoio a Flávio Rocha como versão “light” de Bolsonaro

Flávio Rocha: entre o candidato óbvio liberal e empresário vítima do Estado

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"