OPINIÃO

adulto, o centro

Eveline Sin escreve às quartas-feiras na agência Saiba Mais

ego. é o ego que nos engole. e não pelo umbigo que engole. coitado. levou a culpa. mas não. umbigo é ligação. é um braço de mãe. por dentro. pelas águas. o começo. é o nosso canal com outro corpo. diálogo silente. não cabe essa definição. umbigo é antes de tudo uma porta onde bate o amor. incondicional. ego é sempre trava. tranca. âncora. é só olhar pra dentro. sem enxergar seus próprios pássaros. muito menos as asas de outros. porque não tem conexão com o fora. com a matriz. ancestral beleza. é, e talvez você não entenda. talvez não perceba que esse adultocentrismo não enxerga o todo. não comporta. e seu mal comportamento é fruto de caprichos. mimos. essas coisas que te tiram a verdade. o real. que te cercam de exclusividade. mesmo que de mentirinha. mas você acredita. de umbigo fechado a falta de conexão vira olho. o olho que seca. a boca que seca. a seca do espírito. esse castelo de casca de banana que comporta sua morada. essa farsa que te move. move o rancor mirado nas crianças. mirado no espelho do seu passado. rancor que não ultrapassa meu escudo. minha conexão existe e nada nos afoga. nem em gole. nem em ego. somos três. somos muitas. conectadas. não é o ego que nos move. nossas forças são outras. são enigmas que não vivem pra esse mundo. ensimesmado. insígnias de guerra. duma guerra que você trava com sua história mas quer mirar na minha futura. meus caramelos. camaleoas. não é isso que nos move. talvez fosse tempo de você crescer, adulto. e talvez notar que o problema está em você. só. talvez.

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
Eveline Sin é artista, poeta e grafiteira. Escreve às quartas-feiras.