OPINIÃO

Ah, os livros…

Anúncios

Ah, os livros… Como diria aquele sábio presidente daquela distopia tupiniquim, os livros são aquele monte de amontoado de coisa escrita… Além dessa observação brilhante, sem os livros, certamente a vida seria muito mais difícil de se suportar e é por isso que creio que eles – tal como elogio de mãe em Carta Registrada, risada de filh@ no Skype ou sussurro de amor em áudio de WhatsApp – são uma das melhores invenções da humanidade.

Ano novo, vida nova, reza a lenda. E no balanço das horas, vou também eu fazendo o meu balanço dos livros que, para mim, neste famigerado ano de 2019 (o ano em que caímos em desgraça), foram aqueles mais fodásticos, os livros que, na minha lista pessoal e intransferível, foram de palpitar veia, dilatar pupila, acelerar coração.

Eu, como contista, começo pelo livro de contos. Adoro contos, quem me conhece sabe. Adoro o poder de síntese que eles podem ter. Adoro essa verdade imemorial de narrar e narrar-se que uma história curta e precisa pode conter. Neste ano que passou, esbarrei em bons livros de contos, mas o melhor de todos foi a versão sertaneja de Edgar Allan Poe revisitado: “Agouro”. De Márcio Benjamin, um advogado (nem tudo é perfeito), publicou pelo selo Escribas e tem capa primorosa de Shiko, ilustração daquilo que toma a gente e não tem explicação, nada além do horror, o horror… Aquele livro que faz a gente sentir, arrepiar-se e dizer, em vários idiomas e dialetos: “ah livrinho bom filho de uma égua!”

Vou citar três motivos.

O primeiro: a linguagem propriamente dita. Tudo bem, alguém, mais chato e careta, pode vir dizer que gostei só porque me criei (nas férias escolares) tomando banho de açude, chupando bagaço de cana, debulhando feijão verde e acordando com a fumaça do fogão a lenha de minha avó Maria Pinto Muniz lá nas bandas da Água Verde e dos Tanques, quebradas do Ceará. Nas noites de muitas estrelas e muriçocas, eu ouvia estórias de horror e talvez por isso esteja acostumada com aquele linguajar. Podem dizer que é só uma questão de identificação, que pessoa lá do frio da Suécia não haveria de se emocionar.

Uma ova, seu cabra.

O “Agouro” tem umas expressões e frases certeiras que estão muito além dos regionalismos, são para quem souber ler e entender, interpretar as sutilezas da língua e se deixar dominar por essas duas coisas sem explicação: terror e literatura.

Chegue, tome com cuidado que eu vou esfriando.

Arrede daqui, miserável!

São tantas as frases, os diálogos, as palavras e as expressões que eu poderia citar com sal de carne seca e doçura de rapadura que este artigozinho não teria como falar como o enredo vai se contando, como a gente vai encarnando personagens, como a gente vai se projetando para aquele lugar e aquele tempo da ficção (?) de Márcio Benjamin. Só sei é que, no embalo da sua narrativa, de repente, feito fantasma e testemunha ocular, estamos lá. E entendemos tudo.

O segundo: lembrando que não há hierarquia nenhuma nessa ordem de fatores (que não altera o resultado), eu digo o que me puxou pelo vestido, agarrou meus cabelos e não me largou enquanto eu não terminasse o livro: os temas. Aqueles temas que qualquer humano pode saber e sentir: filho ou noivo perdidos, fatalidade da fome e vexame da vingança, desespero, angústia, solidão. Ele conta um pouco de um tudo em seus quatorze contos. E é aí que preciso me deter em um deles, especificamente, aquele que me cortou certeiro feito facão afiado (juntamente com o “Açude”): o conto da página71 (que li na estrada), “Sabedoria Popular”.

A começar pelo título, fina flor de ironia (lembrando que fui irônica mais acima). Sem querer estragar a surpresa de quem não leu e talvez, quiçá, lerá, eu diria a leitores do devir que se preparem para ver, em cortantes linhas, conto que conta como uma maioria deixa de ser democracia e se torna turba tosca, sobretudo quando quem está do outro lado da ponta-balança são mais desvalidos e fragilizados: pobres, fêmeas, infantes. Tal qual numa distopia tupiniquim de sertão.

E, por fim, o meu terceiro argumento: um livro é sempre um livro, esse objeto que nós encontramos e que nos encontra de repente, mesmo que há tanto tempo nos esperasse esse encontro. Eu não conhecia o autor, mas me lembro bem da entrevista que ouvi no noticiário de meio-dia da Rádio Universitária, num dia qualquer, quando eu também pelejava com meus escritos. Ouvi a conversa e pensei: taí um livro que eu vou ler… Eis que eu o encontrei enfim no FlipAut!, o festival literário da Pipa que eu adoro, encontro literário articulado por Jack D`Emilia há dez anos, ao qual retornei depois de um pequeno intervalo. Foi lá que eu enfim encontrei o livro e ele enfim me encontrou, eis aí o melhor motivo para eu dizer que o “Agouro” foi o livro de contos de 2019 que me marcou.

Não precisa ser leitor de H. P. Lovecraft ou Mary Shelley, não precisa ser leitor do SaibaMais, basta ser leitor para saber e sentir que os livros estão aí no mundo de todas as formas para nos dar mel e medo, para nos lembrar que o país pode ser também um conto de horror, mas também de aventura e de transformação.

P.S. Ninguém perguntou, mas vou continuar com minha listinha de livros preferidos neste ingrato ano de 2019. E já que citei o frio da Suécia, vou falar no próximo artigo do meu livro preferido de poemas, outro que ecoa também lá do sertão.

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *