ENTREVISTA

Alex Galeno: “O fim da sociologia e da filosofia é a Escola Sem Partido na prática”.

Anúncios

Para o cientista social Alex Galeno, quando o ministro da Educação Abraham Weintraub e o presidente da República Jair Bolsonaro anunciam a intenção de descentralizar os recursos das áreas de sociologia e filosofia nas universidades o objetivo é, na prática, implantar o projeto Escola Sem Partido, popularmente conhecido como “lei da mordaça” em razão da censura imposta aos professores e estudantes em sala de aula.

Embora o projeto tenha sido barrado no final de 2018 na Câmara dos Deputados, quando a comissão especial que tratava do PL não conseguiu quórum suficiente para votar a matéria e levá-la a plenário, Galeno acredita que os princípios estão sendo colocados em prática pelo governo Bolsonaro, sem o mesmo alarde e como uma nova roupagem.

Em entrevista à agência Saiba Mais, o cientista social e professor titular do curso de Ciências Sociais da UFRN também não vê definição alguma sobre o projeto de Educação do governo Bolsonaro para o país.

A intenção, para Alex Galeno, é clara: o governo quer dizimar as ciências humanas.

Anúncios

Leia a entrevista abaixo:

Saiba Mais: O presidente Bolsonaro e o ministro da Educação Abraham Weintraub anunciaram recentemente a intenção de descentralizar recursos da área de humanas, sobretudo nas áreas de sociologia e filosofia. Qual o impacto de uma notícia como essa ?

Alex Galeno: O impacto, primeiramente, é no plano educacional e cultural. Educacional porque restringirá a formação em duas áreas fundamentais para aqueles que pensam as questões da sociedade e da ética da existência. E culturalmente porque um profissional sem capacidade de emular e pensar, torna-se um autômato e, portanto, sem visão crítica dos fenômenos. E, na prática, um sujeito vulnerável às adesões e às manadas morais e políticas. Por último, haverá um impacto profundo no mercado das profissões. Muitos estudantes pobres destas áreas não terão oportunidades de emprego.

Saiba Mais: A medida não estaria escondendo a real intenção de acabar com o ensino de Ciências Sociais e Filosofia ?

Alex Galeno: Mais do que acabar com a filosofia e a sociologia, o governo quer dizimar as Ciências Humanas. Bolsonaro e o seu ministro da Educação querem colocar em prática suas cruzadas morais contra o pensamento intelectual e livre. Querem substituir Platão, Aristóteles, Kant, Heidegger, Foucault , Marx, Weber, Durkheim Edgar Morin por Olavo de Carvalho. Basta que lembremos dos livros que compunham sua mesa no dia do discurso de sua vitória. O livro de Olavo de Carvalho estava como decoração. É a cruzada obscurantista em curso. A ignorância e a idiotia como plataforma de governo. É a barbárie civilizatória. Estas disciplinas se debruçam sobre a condição humana, e não sobre ensinamentos dogmáticos de qualquer espécie. São teorias que se colocam à refutações, e não doutrinas que resultam em certezas absolutas e em fundamentalismos.

“A ignorância e a idiotia como plataforma de governo. É a barbárie civilizatória”.

Saiba Mais: O ministro da Educação disse que os alunos podem estudar filosofia, mas com recursos próprios…

Alex Galeno: É uma ignorância. Ele não conhece o papel fundamental do que é filosofia. E a sociologia como importância no mundo, nascida na Europa, inclusive para a administração do governo. Ignorância profunda do ministro, que reflete um elitismo. O aluno de Humanas, em geral, é pobre. Há um desconhecimento completo de quem são as classes sociais do país. Esse ministro não deve ter frequentado a periferia ou a escola mais próxima, além da que ele deu aula. Ele não conhece, não sabe nada para falar essas asneiras, para dizer que um estudante não cursar filosofia no Nordeste porque aqui era para se entender de água e de animal, não é ? Quer dizer, é uma ignorância profunda. Quando ele fala que devemos aprender veterinária e agronomia isso revela o caráter ético e simbólico desse governo. É outro tipo de espécie, outro quadrúpede que tem na presidência e no ministério. Talvez outro quadrúpede na condução do Governo e no Ministério da Educação. Querem estudar jegues e cavalos ? E os homens, as mulheres, as relações sociais ? É disso que se trata, das classes sociais. Estudantes pobres e de classe média também.

“É outro tipo de espécie, outro quadrúpede que tem na presidência e no ministério”.

Saiba Mais: Outro dia Bolsonaro disse que o Governo estava preocupado em formar jovens que não se interessassem por política. Como um professor de sociologia interpreta uma declaração como essa vindo de um presidente da República ?

Alex Galeno: Como não se interessar por política, né ? Não há sociedade sem política, sem trabalho, sem economia, sem pensamento. Política vem do politikós, o guardião da cidade, aquele que cuia do bem comum. Está em Aristóteles. Bolsonaro não deve saber o que é isso. Mas seria interessante ele nos convidar, os cientistas políticos, sociais e filósofos para dizer a ele quem foi Aristóteles, quem foi Platão, quem foi Kant, Marx, ele está transformando todos numa espécie de comunismo de guerra dada sua cruzada moral em defesa de uma ignorância como plataforma de governo. Não há sociedade sem política, sem poder e desinteressada. Ao contrário, quanto mais politizada, mais participativa, mais moderna e mais crítica mais cidadania será conquistada. Ele não quer uma sociedade que pense por si própria ou uma cidade comandada pelo politikós, pelos sujeitos que pensam autonomamente. Esse é o problema principal desse povo que está no governo, em especial desse soberano sem pensamento que é Bolsonaro.

Saiba Mais: Passados quatro meses de governo, você consegue identificar uma linha ou projeto político de Bolsonaro para a Educação?

Alex Galeno: Não há uma política definida claramente para a Educação. Minha dúvida é se eles vão concretizar a reforma no ensino médio aprovada pelo governo Temer porque o (Ricardo) Velez (ex-ministro da Educação demitido) e o recente (Abraham Weintraub) ainda não se debruçaram sobre que políticas querem para o país. O Bolsonaro na campanha falou em escola militar. O que é isso ? Normalização das condutas, dos conteúdos ? Acabar com os Institutos Federais e criar escolas militares no lugar deles ? Ainda não está claro. O fato é que tem um paradigma de cultura política e moral. Como a Escola sem Partido não foi aprovada na Câmara, eles querem viabilizar. O fim da filosofia e da sociologia é a Escola sem Partido na prática. Pelo conteúdo do ensino e pelo enfrentamento à cultura crítica eles vão minando essas disciplinas e criando mecanismos que está no Escola sem Partido. Ou seja, um professor repassador de conteúdo e um aluno receptor passivo, pessoas que não pensem. Esse governo é fragmentado, embora tenha uma cruzada moral e cultura, e inspirado no Olavo de Carvalho, que tem dito que o problema do Brasil são as universidades porque é o centro do PT e das esquerdas. Vão minando as possibilidades, como se universidade fosse formada só por pessoas de esquerda, quando na realidade há uma pluralidade. Não há um espaço de exploração de dogmatismo nas universidades. Ao contrário, é o espaço da teoria, portanto da reflexão que se nega à refutação. Por isso eles querem concretizar o projeto da Escola sem Partido.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *