Principal

Após ameaçar país com o AI-5, Eduardo Bolsonaro ganha título de cidadão natalense

Anúncios

A Câmara Municipal de Natal aprovou nesta quarta-feira (7) o título de cidadão natalense para o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República Jair Bolsonaro e que, há uma semana, ameaçou o país com a volta do Ato Institucional Nº 5, criado pelo ditador brasileiro Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968.

O dispositivo dava plenos poderes ao ditador da época e levou ao fechamento do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal, além de ter sido usado pelo regime para cassar mandatos, censurar, matar e torturar opositores .

O título foi proposto pelo vereador do PSL Cícero Martins e aprovado por 17 parlamentares. Apenas 6 vereadores votaram contra e oitos seis não estavam no plenário durante a sessão.

Algumas das justificativas dos vereadores que aprovaram o título para Eduardo Bolsonaro foram constrangedoras. Autor do projeto, Cícero Martins disse precisava “bajular” Eduardo Bolsonaro para que mais recursos públicos viessem para Natal.

Anúncios

O bispo da igreja Universal Francisco de Assis disse que não sabia nem o que era o AI-5 até o filho do presidente da República ameaçar o país:

Ele foi infeliz sim, mas já pediu desculpas. Eu nem sabia o que diabo era o AI-5. Eu já estudei a história das torturas, mas descobri agora com essa confusão aí. Vou votar favorável porque nunca votei contra título nenhum nesta Casa”, afirmou.

Para o autor do projeto, Cícero Martins (PSL), é preciso “bajular” Eduardo Bolsonaro. (foto: arquivo)

A principal motivação alegada pelos parlamentares, no entanto, era a possibilidade de Eduardo Bolsonaro, como filho do presidente da República, enviar recursos públicos para Natal. O vereador Dagô Andrade (DEM) foi sincero e medíocre:

“Tenho que babar o filho do presidente para Natal ficar melhor. Eu voto sim”, disse.

Preto Aquino (Patriota) reconheceu que Eduardo Bolsonaro é um desequilibrado, mas achou por bem concedê-lo o título de cidadão da cidade onde mora.

– (Os filhos do presidente) são todos desequilibrados, mas independente disso podem ajudar Natal”, declarou.

“Pela democracia e contra o fascismo”, destaca Divaneide Basílio ao negar título a Bolsonaro

Vereadora do PT Divaneide Basílio estacou ameaça de Eduardo Bolsonaro à democracia (foto: Vlademir Alexandre)

Todos os vereadores do PT (Divaneide Basílio e Fernando Lucena), PSOL (Maurício Gurgel), PSB (Franklin Capistrano) e PDT (Júlia Arruda e Kléber Fernandes) rejeitaram o título e fizeram questão de declarar o voto.

Nos discursos, os parlamentares destacaram que Eduardo Bolsonaro era uma ameaça à democracia. A vereadora Júlia Arruda (PDT) ressaltou que Eduardo Bolsonaro nega o parlamento ocupado por todos os vereadores que estavam naquela Casa.

– Primeiro eu queria dizer que não estamos concedendo título para o vereador Cícero Martins. Eduardo Bolsonaro nega o parlamento que ele ocupa e que nós ocupamos também. Não sou de bajular nem de babar ninguém, como alguém disse aqui. Pelo contrário, Eduardo Bolsonaro poderia ficar calado e prestaria grande serviço à nação. Por isso, com muita convicção, voto não”, disse.

Divaneide Basílio do PT também lembrou a ameaça à democracia:

– Eu voto a favor da democracia e contra o fascismo. Sou a favor da população de Natal e do Brasil. Defendo a democracia de A a Z e por isso eu voto não”, disse.

O petista Fernando Lucena fez questão de lembrar, com tristeza, o massacre que o governo Bolsonaro está promovendo no país com retirada de direitos e reformas que penalizam os trabalhadores:

– Hoje é um dia triste para o país. Entregaram o pré-sal. E quem vota hoje esse título aqui tem lado, está ao lado de Bolsonaro. Quem viu Bolsonaro mandar dinheiro para o Estado foi um cego. Representamos o povo, ou não ? Eu represento os trabalhadores. Voto não com muita convicção porque defendo a democracia. Eu luto contra o fascismo. Voto não com todo o orgulho da minha vida”, disse.

 Kléber Fernandes (PDT) lembrou que é dirigente nacional do PDT e não poderia ir de encontro à luta de Leonel Brizola. O médico Franklin Capistrano (PSB) também destacou a defesa da democracia na história do Partido Socialista Brasileiro e, por isso, negou o título de cidadão ao filho do presidente da República.

Confira como foi a votação:

Votaram Sim

1 -Cícero Martins (PSL-RN)

2 – Eleika Bezerra (PSL-RN)

3 – Paulinho Freire (PSDB-RN)

4 – Sueldo Medeiros (PHS-RN)

5 – Dinarte Torres (PMB-RN)

6 – Aroldo Alves (PSDB_RN)

7 – Ary Gomes (PDT-RN)

8 – Bispo Francisco de Assis (PRB)

9 – Chagas Catarino (PDT_RN)

10 – Dagô Do Forró (DEM-RN)

11 – Dickson Nasser (PSDB-RN)

12 – Raimundo Jorge

13 – Preto Aquino (Partriota)

14 – Robson Carvalho (PMB-RN)

15 – Klaus Araújo (Solidariedade)

16 – Ney Lopes (PSD-RN)

17 – Erico Jacóme (Podemos)

Votaram Não

1- Divaneide Basílio (PT-RN)

2 – Fernando Lucena (PT-RN)

3 – Kleber Fernades (PDT-RN)

5 – Júlia Arruda (PDT-RN)

6 – Franklin Capistrano (PSB-RN)

7 – Maurício Gurgel (PSOL-RN)

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *