Blog do Rafael Duarte

As palavras que faltaram no discurso de Álvaro Dias

Das 6.509 palavras presentes no discurso de 16 páginas lido pelo prefeito Álvaro Dias nesta terça-feira (18), na Câmara Municipal, chamaram a atenção pelo menos quatro ausências:

Verticalização

A palavra “verticalização” foi excluída na defesa enfática que o prefeito faz do que chama de “modernização” da cidade de Natal, a partir da revisão do Plano Diretor. Até 2019, os olhos de Álvaro Dias brilhavam quando ele citava a verticalização da orla. Em outra ocasião, na própria Casa legislativa, o chefe do Executivo municipal chegou a provocar representantes de movimentos sociais contrários à construção de prédios na orla, especialmente na praia do Meio. Embora esse seja o sonho do segmento empresarial, a imagem das praias tomadas de arranha-céus não harmoniza com o discurso de um gestor que defende uma cidade mais bonita e melhor para se viver. Como Álvaro Dias não mudou de opinião, é o marketing agindo já na pré-campanha.

Sustentabilidade

Progresso, para o prefeito Álvaro Dias, só rima com modernidade e com adensamento. Desenvolvimento sustentável ou simplesmente sustentabilidade também passaram batido no discurso.

Juventude

A juventude não foi citada como segmento nenhuma vez durante o discurso do prefeito. Segundo os dados mais recentes de 2018 divulgados pelo IBGE, 29,7% dos jovens entre 16 e 29 anos de idade não estudam nem trabalham em Natal. Os números vêm crescendo desde 2012. Em meio a tantos dados e estatísticas apresentadas pelo atual prefeito até áreas sociais, nenhuma menção ou política efetiva voltada aos jovens e à juventude, distantes das metas do prefeito para 2020.

Carlos Eduardo Alves

Carlos Eduardo Alves foi eleito em 2016 para administrar Natal por quatro anos. E chegou a declarar publicamente que cumpriria o mandato quando já haviam negociações de bastidores indicando que o ex-prefeito seria candidato à governador do Rio Grande do Norte, em 2018, o que de fato aconteceu. Álvaro Dias esperou até a renúncia de Alves para sentar na cadeira de chefe do Executivo. É legítimo e compreensível que o atual prefeito queira imprimir uma marca própria à gestão. Mas a ausência de Carlos Eduardo por completo da mensagem sugere uma tentativa de esconder o óbvio do natalense. Não há uma novidade na gestão de Álvaro Dias que não seja continuar uma ação ou programa desenvolvido pelo seu antecessor. Reforma em hospital, escola e, especialmente, os investimentos em grandes eventos, seja no São João, agora no Carnaval ou no Natal em Natal, uma criação de Carlos Eduardo. Em que pese o ostracismo em razão das regras eleitorais, Alves ainda é o político vivo que mais venceu eleições em Natal nas duas últimas décadas. Às vezes, ao esquecimento, algumas pessoas dão o nome de ingratidão.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"