Carolina Villaça

Santa punheta

A jornalista Carol Villaça transforma em crônica a história do mineiro André e suas penitências até a autorização do autoprazer pelo Vaticano

Esquece nosso amor, vê se esquece…

“Mas a hora não é de dor ou de mágoas, ainda que o título da crônica pareça sugerir o contrário, já que inspirado em um Cartola triste. Se assim lhe parece, é só porque também é triste qualquer despedida”. Confira a crônica da jornalista Carol Villaça