DEMOCRACIA

Jornalista potiguar nos EUA repercute ausência de Bolsonaro em debate

Anúncios

De Washington (EUA) – A sexta-feira 13 está animada pelas bandas de Washington, D.C. O deputado federal e pré-candidato à presidência d República Jair Bolsonaro cancelou a participação no debate que aconteceria no fim da tarde desta sexta-feira (13), na George Washington University (GWU), o único previsto para acontecer numa universidade americana durante sua turnê pelos Estados Unidos.

Durante essa semana, Bolsonaro falou à líderes religiosos e simpatizantes em restaurantes e churrascarias brasileiras nos estados da Flórida, Massachusetts e Nova Iorque, regiões com maior concentração de brasileiros no país. A ida à capital americana encerraria a viagem que tem o intuito de suavizar sua imagem e legitimar sua campanha presidencial.

O evento, no entanto, não foi recebido positivamente. Durante toda a semana alunos e ativistas brasileiros se mostraram contrários à recepção de Bolsonaro pela universidade. Uma carta pedindo o cancelamento do evento foi assinada por mais de 800 pessoas ao redor do mundo e direcionada à GWU. Um trecho dela chama o deputado brasileiro de racista e homofóbico:

Dar voz a ele (Jair Bolsonaro) seria ajudar um racista, misógino, homofóbico, extremista a alcançar o reconhecimento internacional e solidificar a viabilidade política de sua campanha.

Anúncios

Protestos organizados através das redes sociais estavam previstos para acontecer no momento da palestra. Foi com surpresa e desapontamento que os organizadores do debate com o deputado receberam a notícia do cancelamento. Segundo nota oficial enviada à universidade, a equipe de Jair Bolsonaro resolveu cancelar sua participação no evento e priorizar compromissos em Nova Iorque. Mark Langevin, diretor do departamento “Iniciativa Brasil” e organizador do evento disse ao blog “The Hatchet”, da GWU, que algumas horas após ter enviado a lista dos meios de comunicação que se cadastraram para o evento, recebeu a informação do cancelamento sem maiores justificativas.

– Bolsonaro não está preparado para ter um debate democrático transparente e aberto amanhã (…) Ele é muito bom em encontrar-se com seus amigos.

Entre os que protestavam à visita de Bolsonaro o clima é de vitória. Aline Piva, diretora assistente do Council on Hemispheric Affairs, nos dá suas impressões:

– Acho que o cancelamento foi muito importante, por dois motivos. Primeiro, porque demonstra que as ações de conscientização sobre quem é Bolsonaro surtiu efeito. Imagino que ele estava esperando vir para cá e ter a usual acolhida de seus seguidores. Mas quando começaram as campanhas demonstrando quem ele realmente é – um racista, misógino, homofóbico – as pessoas começaram a se mobilizar, inclusive dentro da própria universidade. Os estudantes começaram a questionar o papel que estava sendo desempenhado pela universidade na normalização do discurso de ódio. Por outro lado, deixa claro que, ao contrário do que vinham dizendo os organizadores (que insistiam que seria um debate democrático), o cancelamento no último minuto mostra o que já vínhamos falando há tempos: que Bolsonaro não está interessado em debate. O que ele queria era legitimar sua candidatura, e estava usando a universidade para isso.

O protesto “Stop Bolsonaro” também foi cancelado. Na página do evento a mensagem de que a luta continuará contra qualquer um que incite o discurso de ódio e que encontre portas abertas nessas instituições: “A educação americana não pode ser mais valiosa que vidas brasileiras”.

Enquanto isso, americanos para além dos muros da universidade dão início aos festejos de Halloween, absolutamente incólumes à presença do deputado no país. Jair Bolsonaro sai dos Estados Unidos tão insignificante quanto entrou.

Artigo anteriorPróximo artigo