DEMOCRACIA

Cai fila de espera por leito de UTI no RN, mas maioria dos hospitais segue com 100% de ocupação

Até esta terça (20), o número de pacientes com covid-19 na fila de espera para internação ainda é maior do que o número de vagas disponíveis. Enquanto em todo o Rio Grande do Norte 47 pessoas aguardam na fila da regulação por um leito crítico (semi-intensivos e UTI’s), 27 leitos estão vagos. São 28 pacientes na região metropolitana, onde estão as 27 vagas disponíveis e 18 na central Oeste, onde já não há mais vagas para internação.

Com isso, a média geral de ocupação de leitos críticos no Rio Grande do Norte está em 92%. Na região metropolitana de Natal esse índice é de 91%, de 100% no Oeste do estado e de 82% no Seridó.

A maioria das unidades de saúde segue sem vagas disponíveis para internação. É o caso de 17 dos 26 hospitais com leitos críticos para pacientes com covid-19 que estão com 100% de ocupação, outros quatro estão com 90% ou mais de seus leitos ocupados, mais três com índices de ocupação em torno dos 80%. Apenas o Hospital Regional Mariano Coelho, de Currais Novos, apresenta um baixo índice de ocupação, que chegou a 60% nesta terça (20) e o Hospital Maria Alice Fernandes, com taxa de 40% de leitos críticos ocupados.

Até esta terça, 703 pacientes tinham morrido na fila de espera por um leito crítico para internação. O RN registrava até a segunda (19) 213.447 casos confirmados de covid-19 e 52.689 suspeitos do novo coronavírus. Além disso, o estado tem 131.958 casos de Síndrome Gripal Não Especificada, que são os casos considerados inconclusivos já que são suspeitos, mas que diante da falta de diagnóstico laboratorial, não foi possível confirmar o resultado. Um total de 5.126 morreram de covid-19 e 1.025 óbitos estão em investigação.

O boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) segue apenas com os dados de internação nas unidades públicas de saúde. Eram 683 pacientes internados até esta segunda, 334 em leitos clínicos e 349 em leitos críticos.

Imagem: Reprodução Lais/ UFRN

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *