CULTURA

Cartunistas potiguares lamentam morte de Quino

Crítica social e questões filosóficas se espalham pelo mundo desde os anos 1960 nas tirinhas da Mafalda, uma menina de seis anos que hoje ficou órfã. Morreu aos 88 anos nesta quarta-feira (30) o criador da personagem, o argentino Joaquín Salvador Lavado, Quino, deixando um legado importante para toda a comunidade de cartunistas do mundo.

“Foi algo muito triste, pois o Quino era meio que o paizão de muito de nós. Ele nos ensinava a pensar, a questionar. Foi justamente nessa maneira de fazer o leitor refletir, que ele influenciou o meu trabalho”, conta o ilustrador e chargista Rodrigo Brum, ao lembrar que os fãs da principal personagem do artista são numerosos.

“Ele conseguiu um feito que poucos artistas do traço conseguem: Mafalda era quase unanimidade entre as pessoas, e não somente entre as que gostam de cartuns. Bastava ler três ou quatro de seus quadrinhos que a gente já virava fã”, ressalta Brum.
O designer gráfico e cartunista Ivan Cabral acredita que o sucesso e o diferencial da obra de Quino estão no humor perspicaz e na densidade dos temas abordados pelo desenhista.

“Apesar daquele visual infantil, ele problematizava a vida no mundo falando da condição humana, de questões filosóficas e sociais interessantes, como exploração do trabalhador, dificuldades das relações humanas, casamento, trabalho. É tanta coisa, que ele deixa de ser o cartunista que aborda o trivial”, avalia Cabral, contando que tenta também abordar em seu trabalho questões maiores, presentes nos bastidores dos fatos.

“Sempre procurei ir além do personagem, do prefeito, do deputado, mas ir para a condição humana”. Para Ivan, quando o artista consegue ir além do que está posto, “em cena”, é quando o trabalho se torna contundente e perspicaz.

Ambos os profissionais, Brum e Ivan, lembram que apesar da importância de Mafalda, a obra de Quino é maior, possui coletâneas atemporais e sobre temas diversos, e também deve ser conhecida e exaltada. “Genial”, qualificam o mestre.

O artista

Quino nasceu em 1932, em Mendoza, na Argentina. Mafalda, sua personagem mais famosa e publicada em jornais de todo o mundo, completou 56 anos nesta segunda-feira (29) e deixou de ser desenhada em 1973, após quase 2 mil tirinhas. Ela é fã de Beatles e detesta sopa. As tirinhas também tornaram conhecidos os personagens Manolito, Susanita, Guille, Filipe e Libertad.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *