O dia em que o menino Henry parou de chorar

O delegado, professor de Direito, cientista político e membro do Movimento de Policiais Antifascismo Fernando Alves se coloca no lugar no pai do garoto Henry, assassinado de forma covarde, ao que sugerem as provas, pelo próprio padrasto, vereador doutor Jairinho

Não precisava

“Hoje em dia a morte é uma aba perdida entre o twitter e o whatsapp web”. Leia a crônica da jornalista Ana Clara Dantas nesta sexta-feira (9)

Educação escolar: direito ou serviço?

A professora do Departamento de Fundamentos e Políticas da Educação da UFRN Erika Andrade chama os vereadores de Natal à responsabilidade em meio à omissão e descaso com a educação municipal