CULTURA

Cinema e música independentes aquecem verão potiguar

Dois eventos prometem movimentar os dias quentes de janeiro na capital potiguar: o Festival Pôr do Som (& Dosol) e o Cine Verão 2019. Nas praias de Pirangi e Ponta Negra, a paisagem litorânea se completa com ingredientes culturais, em busca da formação de público tanto para a música quanto para o audiovisual entre os veranistas.

O Festival Pôr do Som (& Dosol) estreia levando música ao Terreno Pirangi durante todo o primeiro mês de 2019. As festas serão sempre às 16h aos domingos.

A programação do DoSol para o verão inclui também o Bloco da Greiosa e suas prévias no mês de fevereiro, finalizando com o desfile do bloco no domingo de Carnaval.

“A ideia é espalhar essa música que a gente gosta e dissemina, música nova para o verão da cidade também”, disse o produtor cultural Anderson Foca, que espera cerca de cinco mil pessoas nos três encontros.

A maioria dos artistas convidados ao Pôr do Som são do Nordeste. A edição praiana do DoSol começa no dia 06 com a Academia da Berlinda (PE), o rap/repente de Jéssica Caitano (PE) e o suingue da banda Dusouto.

Em 13 de janeiro, quem se apresenta são o paraibano Chico César e seus conterrâneos Seu Pereira e Coletivo 401, além dos potiguares Luisa e os Alquimistas.

Para o último domingo de atividades (27), o som é por conta de Letrux (RJ), do pagode eletrônico do Attooxxa, e dos potiguares Orquestra Greiosa, Potyguara Bardo e Skarimbó.

“Temos um histórico legal de shows durante o verão para o público alternativo. Sabemos que muita gente que gosta do que nós fazemos vem para o verão da cidade e queremos também nos aproximar do flow do turista. É uma boa oportunidade pra que mais pessoas conheçam nossos artistas”, ressaltou Foca.

Cada ingresso custa a partir de R$20 (promoção/meia). Quem preferir comprar todos os domingos da temporada paga R$50 (promoção/meia). A atividade é uma promoção do Dosol com patrocínio da Cabo Telecom por meio da Lei Câmara Cascudo e Governo do RN. (Ingressos online: www.sympla.com.br/pordosom).

Audiovisual

A segunda edição do Cine Verão – Festival de Cinema na Cidade do Sol terá debates, apresentações musicais com shows e djs, mostra de curtas, sessões especiais de lançamento e premiação, tudo no deck em frente ao Astral Sucos, em Ponta Negra, nos dias 30 e 31 de janeiro. A programação é gratuita.

Na noite do dia 30 serão exibidos os curtas que irão compor a Mostra Cine Verão Poti (obras de realizadores potiguares e rodados no estado do RN) e na noite do dia 31 serão exibidos os curtas da Mostra Cine Verão Brasil (obras realizadas por brasileiros de outros estados).

Haverá votação popular e análise do júri especializado para eleger os curtas vencedores da Mostra Competitiva Cine Verão Poti. A mostra nacional não é competitiva.

Os concorrentes são A Parteira, de Catarina Doolan; Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, de Helio Ronyvon; Enquanto o sol se põe, dirigido por Marcia Lohss; Memórias roubadas, por Marcelo Buainain; Tingo lingo, Wallace Santos; Reflexo, de Felipe Rocha; Somos Todos Um, de Luciano Azevedo; Sem Retrato e Sem Bilhete, de Babi Baracho.

Para o Cine Verão Brasil foram selecionados sete, dos 97 curtas inscritos. O público terá oportunidade de assistir a Carretéis, de Eudaldo Monção Jr.; Entremarés, de Anna Andrade; Majur, de Rafael Irineu; Repulsa, por Eduardo Morotó; Se o mundo girasse ao contrário, de LEonardo Martinelli; Um café e quatro segundos, de Cristiano Requião, e Uma balada para Rock Lane, de Djalma Galindo. Os horários de exibição serão divulgados em www.pinoteproducoes.com/cineverao.

A primeira edição foi em janeiro de 2018 recebendo em torno de 500 pessoas nos dois dias de evento. A expectativa é dobrar esse público.

“Quanto mais janelas de exibição tivermos, melhor. O Cine Verão vem ocupar um espaço de festival pensando tanto no público potiguar quanto nos turistas. Por isso que estrategicamente a gente vai pra praia de Ponta Negra, um lugar de grande circulação de pessoas”, destaca a diretora de produção Nathalia Santana.

Mercado audiovisual e a importância dos festivais de cinema entrarão em pauta nos debates com realizadores de todo o estado. A ideia é mostrar o valor das atividades culturais para as cidades não só como opção de entretenimento e lazer, mas também como alternativa econômica.

“A gente vê o quanto se movimenta na economia formal e informal quando um evento acontece. Também pra formação de pessoas mais críticas e sensíveis. Quando formatamos uma mostra de filmes e exibimos em praça pública, no caso em praia pública, a gente leva pra tela questionamentos, debates, a gente tá suscitando nos expectadores determinadas reflexões. Tudo isso é feito de maneira cuidadosa e intencional”, explica a diretora.

O projeto Cine Verão é uma realização da Pinote Produções, com o patrocínio da Prefeitura do Natal, Programa Djalma Maranhão e Hospital do Coração de Natal.

Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *