CULTURA

Clowns de Shakespeare decide processar Caixa por censura a espetáculo

Anúncios

O grupo de teatro Clowns de Shakespeare aguardou cinco dias por um posicionamento detalhado da Caixa Econômica sobre o cancelamento das apresentações do espetáculo Abrazo, em Recife, mas diante do comunicado genérico emitido pelo Banco decidiu ir à Justiça requerer os direitos previstos no contrato assinado após vencer a seleção no edital da Caixa Cultural.

O processo foi ajuizado na quinta-feira (12), na Justiça Federal de Pernambuco, e tramita na 2ª Vara Federal. A ação é um pedido de tutela antecipada em caráter antecedente e inclui prestação de serviço, perdas e danos e rescisão contratual.

Este sábado marcará uma semana desde o cancelamento da segunda sessão do espetáculo infantil Abrazo, na Caixa Cultural Recife. O grupo afirmou que até hoje não sabe os reais motivos do cancelamento:

– Desde então, as tentativas de comunicação com a Caixa tiveram retornos inconsistentes, resumindo-se a alegar que havíamos infringido o inciso VII da Cláusula Quarta, que prevê que a contratada seja obrigada a “zelar pela boa imagem dos patrocinadores, não fazendo referências públicas de caráter negativo ou pejorativo”, e que isso teria ocorrido no bate-papo realizado após a primeira sessão. Ainda sem ideia do que poderia ser alegado, uma vez que não reconhecemos nada que pudesse gerar esse tipo de reação, e diante da ausência de informações adicionais, não conseguimos imaginar outra razão para essa rescisão que não seja censura ao nosso trabalho e pensamento”, afirma os Clowns em nota.

Anúncios

Ato

Assim que o cancelamento da peça pela Caixa se tornou público, uma rede de solidariedade chegou aos atores do grupo Clowns de Shakespeare. Neste sábado (14), a partir das 15h, na praça do Arsenal, em Recife, haverá um ato público em protesto contra a censura imposta a Abrazo. A iniciativa foi puxada pelos movimentos “Batendo o Texto na Coxia” e “Virada Cultural do Teatro Parque”, mas ganhou a adesão de inúmeros grupos, movimentos sociais, artistas e da população em geral. O grupo pede que o público leve camisetas e bexigas da cor branca.

“De lá seguiremos para a frente da Caixa Cultural, e então partiremos ao Teatro Apolo, onde faremos a apresentação, com acesso gratuito, mediante a limitação de lugares da casa. Assim, acreditamos que fecharemos a primeira etapa dessa jornada tão intensa, difícil, mas ao mesmo tempo repleta de suporte e carinho de tanta gente, novos e antigos parceiros, instituições e pessoas que acreditam nos mesmos princípios que nós, e que lutam por um país livre e democrático”, informou o diretor do grupo, Fernando Yamamoto.

Eduardo Galeano

Abrazo é inspirada no texto “Livro dos Abraços”, do escritor uruguaio Eduardo Galeano, reconhecido pela defesa dos Direitos Humanos e posições alinhadas à esquerda.

O roteiro do espetáculo é de César Ferrario e a direção de Marcos França. A peça é contada através do olhar de um menino que mora num país repressivo onde as pessoas são proibidas de abraçar umas às outras e de demonstrar afeto entre si.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *