DEMOCRACIA

Comitê científico do Nordeste sugere fechamento das divisas e criação de brigadas sanitárias em rodovias do RN

O comitê científico do Consórcio Nordeste voltou a criticar as políticas sanitárias de combate a Covid-19 adotados pelo Governo do Estado e também pela prefeitura de Natal.

No boletim 09 divulgado nesta quinta-feira (2), a equipe coordenada pelo ex-ministro da Ciência e Tecnologia Sérgio Rezende e pelo neurocientista Miguel Nicolelis voltou a sugerir o lockdown em todo o Rio Grande do Norte como forma de reduzir as taxas de transmissibilidade do Coronavírus.

Leia o boletim na íntegra aqui

O comitê recomenda que o Governo implemente, de forma imediata, Brigadas Emergenciais de Saúde por todo o Estado, além de estabelecer um programa estadual de testagem para realização de múltiplos inquéritos soroepidemiológicos. O fechamento das divisas com o Ceará e a Paraíba também é indicado:

– Implementar barreiras sanitárias e mecanismos de rodízio/controle de tráfego de carros particulares e ônibus intermunicipais nos seguintes trechos rodoviários: BR-101, no trecho João Pessoa- Natal, e no trecho Natal-Touros, e na rodovia Natal- Mossoró. A possibilidade de se estabelecer um lockdown de todo o estado, bem como o fechamento intermitente das fronteiras do estado com o Ceará e a Paraíba também deveria ser considerada imediatamente”, diz um trecho do documento.

A adoção do modelo de lockdown em capitais como São Luís, Fortaleza, Recife e na região metropolitana de João Pessoa que variou de duas a três semanas teve efeito positivo, aponta o relatório.

– Estes efeitos se manifestaram na forma de uma desaceleração temporária nas curvas de casos novos e de óbitos e pela redução na demanda por leitos de enfermaria, apesar da demanda por leitos de UTI ainda permanecer alta”, diz.

O início da reabertura gradual das atividades econômicas no Estado também recebeu críticas no boletim do Consórcio Nordeste. Os cientistas citam especificamente Natal e Mossoró, como casos mais graves em razão das taxas de ocupação de leitos estarem próximas de 100%.

– Com um crescimento de casos da ordem de 71% em 14 dias, taxa de ocupação de leitos de UTI no máximo (100%) ou próximo disso, este comitê não consegue entender quais critérios epidemiológicos e clínicos têm sido usados pelo comitê científico local, apoiado pelo governo estadual, bem como a prefeitura de Natal, para justificar uma reabertura, mesmo que gradual, de lojas e outras atividades econômicas na capital do Estado”, afirmou o comitê, que recomendou uma passo atrás na abertura do comércio:

Uma completa reversão no plano de relaxamento oferecido pelo comitê local do governo do Rio Grande do Norte e da prefeitura de Natal é necessária para evitar que a situação do estado se agrave consideravelmente”, afirma.

A taxa de transmissibilidade (Rt) também é analisada no boletim mais recente. A redução nesse percentual foi uma das justificativas usadas pelo Governo do Estado para autorizar a abertura de parte do comércio. Ainda assim, o comitê recomenda mudança nos planos:

Embora o Rt de Natal tenha sofrido uma queda, ele ainda é superior a 1. Enquanto isso valores bem mais altos e preocupantes de Rt podem ser encontrados na periferia de Natal (Parnamirim, 1.56, Macaíba, 1.86, São Gonçalo, 1.71), na região oeste (Mossoró, 1.38, Apodi, 1.47) e sul (Caicó, 2.37) do estado”, escrevem os técnicos.

Em linhas gerais, o comitê científico do Consórcio Nordeste chama a atenção para o risco do “efeito bumerangue” em todas as capitais da região nas próximas semanas em razão da migração de pacientes do interior para serem atendidos nos grandes centros nordestinos.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *