DEMOCRACIA, Principal

Comuna Urbana do MST sofre novo atentado a tiros em Mossoró

A Comuna Urbana do MST em Mossoró voltou a ser alvo de tiros na madrugada desta terça-feira (1). Os trabalhadores contaram mais de 20 disparos de arma de fogo contra o acampamento, montado às margens da BR 304, ao lado da cerâmica Porcelanati. A ocupação conta com 150 famílias e, apesar do estado de choque, dessa vez ninguém ficou ferido. Duas pessoas que estavam desaparecidas já foram localizadas. Esse foi o segundo atentado contra a Comuna em uma semana.

Um trabalhador ouvido pela Agência Saiba Mais informou que no período entre os dois atentados, uma viatura da polícia militar rondou o local e chegou a abordar dois trabalhadores. Os agentes teriam afirmado aos sem-terra que o acampamento teria que sair dali em pouco tempo.

Cápsulas de balas encontradas após primeiro atentado

Após o atentado desta madrugada, a PM esteve no acampamento e, diante dos relatos dos tiros, informou que não poderia fazer muita coisa. Mesmo assim, os trabalhadores fizeram questão de registrar Boletim de Ocorrência.

Essa não é a primeira vez que policias militares fardados ameaçam os trabalhadores da Comuna Urbana do MST. Antes do primeiro atentado, agentes sem mandado judicial foram até o acampamento procurar “os chefes” e exigir a saída das famílias.

Os trabalhadores suspeitam que o terreno ocupado às margens da BR-304 seja da prefeitura de Mossoró, uma vez que o acampamento foi montado em 22 de abril e até o momento não chegou nenhuma ordem de despejo.

A vereador Isolda Dantas (PT) está acompanhando de perto o caso e afirmou que nesta quarta-feira (2), “uma comissão vai procurar a OAB, Igreja e demais instituições para exigir apuração desse absurdo”.

 

Jornalista de Mossoró desabafa sobre ataques aos MST

O jornalista mossoroense e professor da UERN Esdras Marchezan desabafou nas redes sociais sobre os ataques que o MST vêm sofrendo. Ele relacionou a segundo atentado em uma semana contra os trabalhadores aos ataques políticos sofridos pelo acampamento em defesa do ex-presidente Lula, em Curitiba:

Na madrugada desta terça, um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), às margem da BR-304, em Mossoró, foi alvo do segundo atentado em duas semanas. Desta vez, mais de 20 tiros foram disparados por pessoas que gritavam o nome do pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro e faziam ameaças de retirar as famílias do local à bala. Não houve registro de feridos.

O episódio remete ao ocorrido em Curitiba, quando homens armados atiraram contra o acampamento montado em apoio ao ex-presidente Lula. Duas pessoas ficaram feridas, inclusive uma em estado grave.

O ódio ao PT e aos movimentos sociais por grupos da direita e extrema-direita chega a um nível tão irracional, que episódios como esses começam a se repetir. Mais grave que isso, é o apoio velado a este tipo de ato por pessoas que pregam os “valores da família”, a moralidade do País. Na verdade, não passam de fariseus, de lobos travestidos em pele de cordeiro. Pessoas que envergonham a real filosofia cristã, defendida por Cristo.

É preciso reagir em defesa da democracia e da cidadania. Não se pode entregar a nação a um bando de fascistas sedentos por sangue.

 

Saiba Mais:

Ocupação do MST é atacada a tiros em Mossoró

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *