CULTURA

Conheça a jovem artista potiguar que vai expor em Londres

Engana-se quem pensa que a pintura realista é sempre óbvia. A obra da natalense Luiza Fonseca, de 24 anos, prova o contrário e por essa razão está prestes a embarcar em viagem rumo a uma das capitais do mundo das artes: Londres, na Inglaterra.

A jovem artista visual foi selecionada para expor na The Brick Lane Gallery graças a uma chamada aberta realizada por meio do Instagram (@bricklanegallery). Em acrílica sobre tela, “autorretrato” (2020) venceu uma seleção com votos dos internautas, concorrendo com 13 obras de outros expoentes escolhidos pela curadoria.

“Autorretrato faz parte de uma série que fiz durante esse período de isolamento social. É uma brincadeira com o gênero ‘retrato’, porque a gente espera que tenha um rosto envolvido e aí eu cubro o rosto com a máscara”, explica a artista, que diz ter ficado surpresa com o resultado.

Recorte da obra “autorretrato”, acrílica sobre tela, maio de 2020

“Não acreditei que conseguiria tanto engajamento, primeiro porque não tinha tantos seguidores nas redes sociais, mas vi que tinha muito retorno e eu fiquei muito feliz”, comemora, pensando no quanto isso vai favorecer sua carreira agora que decidiu definitivamente ser artista. “É o que eu quero pra minha vida”.

Pessoas do mundo inteiro participam do concurso cultural para ganhar a oportunidade de exibir gratuitamente trabalhos que caibam em 3 metros de parede. As salas da galeria costumam ser alugadas a valores a partir de 3.600 euros por semana, de acordo com o site do lugar.

Sala da Brick Lane Gallery, em Londres

Como o quadro de Luiza selecionado mede 20 cm x 20 cm, ela deve escolher outros para compor a exposição coletiva que ainda não tem data marcada.

A Brick Lane Gallery é um espaço que exibe arte urbana contemporânea de artistas britânicos e internacionais. A galeria renova a programação de exposições apresentando novidades em desenho, pintura, escultura, fotografia, performance e vídeo.

Além da potiguar, outros dois brasileiros estão entre os vencedores: Geoneide Brandão (@geocentrismo) e Pedro Lima (@pedrulim4), ambos de Maceió. É com eles Luiza deve pegar o voo. “Pretendo ir com minha amiga Geoneide, que também foi selecionada no mês passado, e com Pedro, outro artista amigo dela. Será a caravana de artistas nordestinos em Londres”, brinca.

A artista

Luiza é formada em Design pela UFRN e está cursando o primeiro ano de Artes Visuais. Ela conta que sempre desenhou, mas que a relação com as artes se intensificou na universidade e ainda mais quando terminou a graduação, passando um período em casa e produzindo mais.

“Por um bom tempo inclusive eu dizia pra mim mesma que nunca ia mexer com tintas. Eu era muito insegura por ‘não ter como apagar’, mas a partir de 2017 comecei a fazer alguns cursos livres de pintura e paguei disciplinas eletivas em Artes Visuais e me apaixonei”, conta, ressaltando que atualmente passeia entre técnicas e materiais diversos, indo do desenho com carvão à pintura guache, acrílica, óleo, digital.

“O Corte”, acrílica sobre papel, setembro de 2019

De acordo com Luiza Fonseca, seu processo criativo geralmente passa por fotografias também de sua autoria e aborda questões íntimas, ora usando metáforas, ora sendo mais explícitas. A obra é repleta de representações do corpo em cenas do cotidiano. A música popular brasileira está presente em algumas. O trabalho está disponível em loja virtual, lançada em junho deste ano: luizafs.iluria.com.

Luiza cita artistas que influenciam seu trabalho: Egon Schiele, Edward Hoper, Vania Mignone e Lucian Freud; e uma pessoa que lhe despertou esse interesse: o tio Francisco Assis, que é professor de Artes.

“Eu achava fantástico. Eu bem pequenininha, às vezes sentava na frente dele e ele me desenhava. Eu achava aquilo o máximo. Por causa dele quando eu era criança dizia que seria artista plástica”, lembra, falando ainda que os pais, Espedito Assis e Vania Lúcia, também a motivaram a desenhar e, agora aposentados, têm se arriscado na área.

“Arturo origamista”, guache sobre papel, agosto de 2020

“Meu pai faz uns quadros junto com meu tio. E minha mãe está se aventurando no ramo dos amigurumis, aqueles bonequinhos de crochê”, conta Luiza, ao revelar que o irmão, Arturo, de 21 anos, cursa Tecnologia da Informação, mas também se diverte com origamis (@arturorigamis) super elaborados. “A quarentena tá sendo incrível com várias artes e artesanatos”, relata se divertindo.

Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *