Principal

Contaminação por Coronavírus sobe nos presídios do RN e põe apenados e agentes sob risco de morte

O número de apenados diagnosticados com a Covid-19 no sistema carcerário do Rio Grande do Norte subiu para seis em apenas 15 dias.O primeiro caso de contaminação entre detentos foi divulgado em 18 de maio e o preso foi isolado dentro da própria unidade prisional, recebendo cuidados médicos diários.

Além dos seis casos, outros 24 apenados estão sob suspeita da contaminação pelo vírus. Os presos com confirmação ou suspeita do vírus ficam isolados dentro das próprias unidades prisionais. A secretaria de Estado de Administração Penitenciária não revelou em quais unidades do sistema há incidência de casos do coronavírus para não gerar pânico entre os familiares.

Ainda de acordo com a SEAP, o Coronavírus tem maior incidência entre os policiais penais. É através dos agentes o único contato externo ao qual os detentos têm acesso, já que as visitas presenciais estão suspensas desde 13 de março. São 25 agentes com confirmação da Covid-19 e 55 entre casos suspeitos. Todos estão afastados do serviço.

Esses funcionários apresentaram sintomas gripais ou tiveram contato com casos confirmados. O reflexo da Covid-19 no sistema prisional é o mesmo que na sociedade, não dava para pensar que o vírus não iria nos afetar. Quem pode levar o vírus para dentro do sistema são servidores das unidades, as únicas pessoas que configuram contato externo, já que as visitas estão suspensas”, disse o titular da SEAP, Pedro Florêncio.

Televisitas

O sistema prisional do RN tem aproximadamente 10 mil presos e, desde o início do decreto de calamidade pública, as celas, corredores e ambientes de uso comum são desinfetados diariamente. Com a suspensão de visitas presenciais, a SEAP regulamentou a televisita, que possibilita um encontro virtual por mês, com duração máxima de 10 minutos, entre detentos e familiares enquanto durar o isolamento.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *