ENTREVISTA

Coronel Azevedo, o deputado do PSL que não tira Lula da cabeça

Eleito na esteira do fenômeno Bolsonaro em outubro de 2018, o coronel da Polícia Militar André Luiz Vieira de Azevedo conquistou o apoio de 27.606 eleitores. Ele é o primeiro deputado estadual do PSL na história da Assembleia Legislativa e, como a própria patente sugere, tem como pauta principal a Segurança Pública.

Semana passada, quando subiu na tribuna do plenário da ALRN pela primeira vez, o coronel Azevedo fez um discurso duro pregando o combate à corrupção. No calor da emoção, disse que o governo Bolsonaro marcava o fim da “bandidolatria” no Brasil.

As palavras do coronel, no entanto, parecem só ter força quando direcionadas para dois alvos: o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores.

Pelo menos é o que se pode notar da entrevista abaixo.

Menos de uma semana depois do primeiro discurso de Azevedo, o governo Bolsonaro e o PSL mergulharam em mais uma crise política e moral que terminou com a demissão nesta segunda-feira (18) do ex-ministro-chefe da secretaria-geral da Presidência Gustavo Bebianno. Ele é ex-presidente nacional do PSL e coordenou a campanha presidencial do próprio Bolsonaro.

O PSL é suspeito de usar candidaturas laranjas em vários estados para obter recursos do fundo eleitoral. O esquema foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Nesta terça-feira (19), a agência Saiba Mais procurou o parlamentar para comentar a demissão de Bebianno por Jair Bolsonaro e os mais recentes escândalos envolvendo o Governo Federal e o PSL.

Confira a entrevista:

Saiba Mais: Que avaliação o senhor faz da demissão do Gustavo Bebbiano, ex-presidente do PSL ?

Coronel Azevedo: O presidente da República anunciou que o motivo da demissão foi de foro íntimo, né ? Então apenas cabe ao Presidente divulgar ou relatar qualquer detalhe sobre esse aspecto. Não me cabe considerar ou qualificar qualquer ato do presidente.

Saiba Mais: Mas o senhor deve ter acompanhado que o jornal Folha de S.Paulo divulgou uma série de acusações contra o agora ex-ministro Bebianno de que o PSL usou candidaturas laranjas nas eleições de outubro…

Coronel Azevedo: Tenho visto pelas redes sociais, imprensa, notícias de blogs que mais de 50 candidaturas laranjas estariam sendo investigadas no Brasil. Eu acho que nós estamos passando… a própria renovação… olha como o PT vem se acabando ao longo dos anos… O povo brasileiro quer que combata a corrupção, combata a impunidade. Estamos com um ex-presidente preso, no xadrez, né ? Cumprindo pena, é sinal de mudanças. Então nós queremos que cada vez mais se apure, se investigue. Se essas ilações, insinuações, se vierem a ter fundo de verdade a gente não tem bandido de estimação. Quem quer que seja, quem errou que pague. Cada um que imagine de forma diferente. Então eu espero que a Polícia Federal, o ministro Moro, pessoa que tem um nome, uma ficha exemplar, conhecido internacionalmente, inclusive a revista Forbes o elegeu como *personalidade do ano no ano passado e (elegeu) Bolsonaro** esse ano. Espero que tudo isso seja apurado. E que os bandidos se juntem a Lula no xadrez e cumpram suas penas, caso sejam comprovados os crimes. Claro, não vamos aqui acusar e condenar ninguém prematuramente sem ter o direito de defesa e sem que apure os fatos. Mas onde houver bandido, independente de que partido for, que se junte a Lula no xadrez.

*Na verdade, Sérgio Moro foi considerado em 2016 uma das 100 pessoas mais influentes do mundo na lista anual da revista Times. ** Jair Bolsonaro foi eleito personalidade do ano em 2019 pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

Saiba Mais: O senhor tem uma obsessão pelo Lula ? Por que outro dia eu lhe questionei sobre corrupção (envolvendo o motorista Fabrício Queiroz e o senador Flávio Bolsonaro) e o senhor respondeu que o Lula…

Coronel Azevedo: Mas é por isso… porque o PT…

Saiba Mais: Mas a pergunta é sobre o PSL…

Coronel Azevedo: Mas estou falando aqui do nosso país que é o Brasil, onde nós vivemos e onde queremos criar nossas famílias. O PT protagonizou os maiores crimes de corrupção contra a humanidade e o ex-presidente (preso) é um fato inusitado para o Brasil. A gente não pode desprezar isso aí. Ou você vai desprezar ? Por admiração, não sei por qual razão, isso é um fato gravíssimo. Um presidente da República está preso. Querer esquecer esse registro histórico do nosso país…

Saiba Mais: Mas a minha pergunta é sobre outro caso, outra acusação de corrupção. Que o Lula está preso todo mundo sabe…

Coronel Azevedo: Mas por isso mesmo. Na minha opinião, nós brasileiros queremos sair dessa marca que o Brasil construiu internacionalmente de país da impunidade, da corrupção. Temos que combater isso aí, temos que buscar investigação. Parabéns ao Bolsonaro por ter escolhido o Moro como ministro da Justiça. Dizer que apesar das diferenças ideológicas é através da união dos entes federativos que vamos minimizar a crise. Até porque não vamos acabar com a crise, né ? A governadora Fátima, o presidente Bolsonaro tem que se unir nesses esforços, como também os prefeitos, o parlamento estadual… todos têm que dar as mãos e buscar soluções para o nosso Rio Grande do Norte e para o nosso país. Independente das posições ideológicas, o coronel Azevedo estará sempre ao lado das mudanças, proposituras… sejam elas de iniciativa da chefe do executivo ou de algum deputado, estaremos aí para apoiar e aprovar tudo isso que vier para minimizar os problemas que estamos enfrentando, sobretudo de Segurança Pública.

Saiba Mais: O senhor leu o escopo do projeto que o ministro Sérgio Moro vai enviar nesta terça-feira para o Congresso Nacional ? Que análise faz dele ?

Coronel Azevedo: Estamos na expectativa, pretendo assistir ao vivo essa apresentação e também estamos aí aguardando o anúncio da Reforma Previdência que segundo entrevistas vai afetar estados e municípios. É um momento importante de mudança que vai afetar os Estados. E espero (que afete) de forma positiva. Vamos ver os detalhes, o que está sendo anunciado, os detalhes e a reação dos diversos setores do Congresso.

Saiba Mais: Várias das críticas ao governo Bolsonaro se dão em razão da interferência dos filhos do presidente no Governo. Qual sua avaliação sobre isso ?

Coronel Azevedo: Isso é natural. Nós vemos aí as acusações em relação ao presidente Lula, que os filhos enricaram, desvio de recursos, empresas de telecomunicações que teriam repassado… isso é natural, faz parte da democracia. Então temos que aceitar esse contexto, verificar até que ponto isso vai… e é natural. Acabamos uma eleição, tem muita poeira no ar que com o tempo vai se sedimentar e cada um vai ficar no seu quadrado, como diz a música popular…

Saiba Mais: Mas porque toda vez que eu pergunto sobre o Bolsonaro o senhor responde sobre o Lula ?

Coronel Azevedo: É porque nós estamos falando de presidentes da República.

Saiba Mais: Não… eu perguntei sobre os filhos do Bolsonaro. O senhor há de convir que não é normal os filhos de um presidente interferirem em decisões do Governo….

Coronel Azevedo: É preocupante essas afirmações. Esperamos que tudo seja apurado e esclarecido. E esperamos que as famílias dos presidentes da República não incorram em crimes como incorreram, ou estão sob suspeitas de terem incorrido, os filhos do ex-presidente Lula.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *