CIDADANIA

Crescem internações por covid-19 em leitos de UTI dos hospitais particulares no Rio Grande do Norte

As internações nos leitos de UTI dos hospitais particulares no Rio Grande do Norte cresceram 5% nos últimos dias, de acordo com os dados divulgados diariamente pela Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap). No dia 27 de outubro, o RN tinha 177 pacientes internados, sendo 33 em leitos de UTI do SUS e 18 em leitos de UTI da rede privada de saúde. Já nesta quarta (11), o número de internações de pacientes em Unidades de Tratamento Intensivo era de 186 no total, sendo 23 nas unidades do SUS e 26 nos hospitais particulares. Assim, o número de pacientes internados nos leitos de UTI da rede de saúde privada, entre 27 de outubro e 11 de novembro, passou de 18 para 26.

O aumento é um alerta, já que tanto os casos confirmados quanto os óbitos decorrentes de covid-19 continuam crescendo no Rio Grande do Norte, segundo os boletins da Sesap. Desde março, quando as primeiras notificações da doença foram registradas, até esta quarta (11), o estado acumula um total de 82.954 casos confirmados e 2.611 mortes decorrentes do novo coronavírus. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Natal, a procura por consultas clínicas nos locais direcionados para atendimento exclusivo de pacientes com suspeita de covid-19 tem aumentado nos últimos dias, mas o número de internações continua estável, sem alterações significativas na procura.

O primeiro caso de covid-19 notificado no estado foi confirmado no dia 12 de março. Tratava-se de uma mulher de 24 anos, com histórico de viagem pela Itália, França e Áustria. De lá para cá, os números só cresceram e, pelos gráficos apresentados pelo Lais (Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde), mantém uma curva ascendente no número de casos e óbitos. A maior incidência de covid-19 tem ocorrido na faixa etária de pessoas com idade entre 30 e 49 anos (45,4%) e atingido, principalmente, as mulheres (52,9%). Até o momento, 71% dos pacientes não relataram comorbidades ou fatores de risco anteriores. Já 13.156 pacientes (16%) disseram apresentar doenças pré-existentes que poderiam agravar a incidência da covid-19. As comorbidades mais frequentes são problemas cardiovasculares crônicos, diabetes, doenças respiratórias, doenças renais, imunossupressão, obesidade e gestações de alto risco.

         

Imagem: reprodução do Boletim da Sesap do dia 27.10.20                                             Imagem: reprodução do Boletim da Sesap do dia 11.11.20

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *