OPINIÃO

De quem se sentiu ofendido para quem ofendeu

Antes de tudo, percebi sua dúvida quanto ao meu grau de chateação. Faço aqui um esclarecimento. Caso tenha pedido desculpas se e somente se eu estiver ofendida, não há motivo para tal preciosismo. Limite-se a pedir desculpas porque, sim, você me ofendeu.

Até imagino que você deva achar um tanto absurdo, quase um capricho, eu me sentir assim, magoada. Afinal, como pode alguém se afetar com uma simples brincadeira? Frescura? Mimimi? Escolha seu adjetivo. Mesmo assim, aceito as desculpas. Não por ser alguém de espírito sublime, ou por oferecer a outra face. Ao contrário, sentimentos mesquinhos e vulgares também me tomam o peito.

Esses dias até lembrei de um ditado popular que resume bem meus sentimentos. É algo muito calcado na aridez do Seridó Potiguar, então releve a crueza da coisa. Diz mais ou menos assim: “Depois que inventaram esse negócio de desculpa, ‘caba’ ruim nunca mais apanhou.”

Longe de mim querer resolver uma desavença assim; no braço. Mas, se eu disser que nunca pensei nisso, estaria mentindo. Já houve momentos em que cheguei a sonhar com a sua cara no asfalto quente, confesso. De antemão, peço desculpas caso sinta-se ofendido. E também antecipadamente, já destaco que a frase foi tirada de contexto. Quem me conhece sabe.

E embora eu não lhe conheça muito bem, permita-me dizer: entendo o seu sofrer. Dizem até que você está aprendendo com o erro. Que vai sair dessa uma pessoa melhor, e quem ganha com isso somos nós. Bonito, já ouvi em algum lugar. Lembrei: ”É aniversário das Casas Bahia, mas quem ganha o presente é você.” No fim, alguém tinha de pagar pelo “presente”.

Eu já não quero mais pagar por agrados. São tempos de escassez, precisamos economizar tudo, inclusive tempo. Ainda assim, continuo investindo na melhoria do ser humano que no fundo é uma boa pessoa. Não se preocupe. Estarei longe, mas enviando boas energias, torcendo por sua evolução. Que venha à superfície a boa pessoa, e sua benevolência seja óbvia afinal.

Lamento o andar de tudo até aqui. A penosa jornada de um arrependido não é o lugar mais agradável do mundo. Especialmente para você, que tanto lamenta a mágoa de quem se sentiu ofendido, que tanto mostra-se arrependido e repete à exaustão: estou arrependido. Não leve a mal, você só não percebeu um detalhe: não é sobre você. É sobre quem se ofendeu.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Ana Clara Dantas
Ana Clara Dantas é jornalista e escreve às sextas-feiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *