CIDADANIA

Deputado Francisco do PT quer criar plano estadual para juventude do campo

Para nortear políticas públicas que garantam os direitos dos jovens do campo e o estímulo à transferência da atividade rural às futuras gerações, o deputado estadual Francisco do PT apresentou projeto de lei que cria o Plano Estadual de Juventude e Sucessão Rural do Rio Grande do Norte.

“O Brasil tem um êxodo rural gigantesco e esse projeto vem, justamente, diminuir os índices que crescem a cada dia. Esse projeto é fruto do envolvimento do nosso mandato com sindicatos, organizações e lideranças rurais”, disse p parlamentar ao apresentar a proposta à Assembleia Legislativa.

Na justificativa do projeto, o deputado destaca que a migração dos jovens do campo para áreas urbanas – ainda que de forma temporária – a procura de renda, trabalho e mais qualidade de vida vem se tornando um risco à continuidade da produção agrícola familiar.

“Segundo dados do último Censo Agropecuário do IBGE de 2017, existe um envelhecimento do espaço rural brasileiro. Vários problemas dificultam as condições de permanência das juventudes no campo e a falta de perspectivas estimula o êxodo rural dessas. Prova disse é que, mesmo com a redução do êxodo rural nesse século, entre os jovens esse segue aumentando”, diz o texto, ao acrescentar que mais da metade da população brasileira está em situação de insegurança alimentar e nutricional.

Para solucionar o problema, ainda que parcialmente, o projeto de lei pretende oferecer apoio à agricultura familiar, responsável pela maior parte dos alimentos consumidos no Brasil. “Parte dessa força de trabalho é composta por jovens que, na maioria das vezes, não têm garantidas condições dignas para sua permanência na terra”, explica.

Francisco do PT coloca ainda que a estimativa é que cerca de 7 milhões de jovens vivem nos municípios rurais brasileiros e que, para eles, a proposta indica perspectiva de vida digna, acesso à educação, ao trabalho, a saúde, cultura, esporte, lazer e internet.

A importância do PL também se justifica pela necessidade de produção de alimentos saudáveis, além de sustentável. “Entendemos que a sucessão rural é uma condição fundamental para a produção de alimentos saudáveis, preservação e conservação do meio ambiente, da cultura e diversidade de nosso país, e é também direito da juventude”.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *