DEMOCRACIA

Deputados aprovam projeto que acaba com lista tríplice para o cargo de reitor na UERN

A Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade nesta quinta-feira (23) o projeto de lei que extingue a lista tríplice para a escolha do reitor da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). A partir do próximo pleito, o candidato ou a candidata mais votada pela comunidade acadêmica terá que ser empossado pelo chefe do Executivo.

O fim da lista tríplice é uma reivindicação histórica de professores, estudantes e servidores técnicos porque dá à instituição a autonomia da gestão, o que garante que a decisão da comunidade acadêmica seja respeitada, independente da orientação política do reitor ou da reitora eleitos.

O projeto de lei aprovado hoje foi encaminhado a Casa legislativa pelo próprio do Governo do Estado, já na administração Fátima Bezerra. No entanto, outra proposta idêntica havia sido protocolada antes pelo ex-deputado estadual Sandro Pimentel, mas não chegou a ir a plenário.

A aprovação do projeto que põe fim à lista tríplice acontece na véspera do aniversário de 53 anos da universidade, a ser completado no próximo dia 28.

“Agora reitor eleito é reitor empossado”, comemora líder do PT na Casa

Deputada estadual Isolda Dantas (PT) é ex-estudante da UERN / foto: divulgação

A deputada estadual Isolda Dantas foi estudante do curso de Ciências Sociais da UERN e comemorou a nova lei. Para ela, líder do PT na Casa, a autonomia da gestão contribui para a educação na instituição:

– Isso é de uma grandeza enorme. A educação é fundamental e ela tem que ser baseada na democracia, na participação política dos professores, da classe estudantil e de servidores técnicos da universidade. A UERN é uma universidade que formou 95% dos professores de Mossoró e que tem alunos dos 167 municípios do RN. Agora é reitor eleito e reitor empossado na nossa UERN”, disse.

Líder do Governo na Casa, Francisco do PT também destacou a importância do projeto:

– O fim da lista tríplice privilegia o respeito ao pleno exercício da democracia. Na hora em que o Governo do Estado manda a esta Casa um projeto garantindo que a pessoa que for mais votada ou mais votado seja efetivamente aquela que irá exercer a função é uma atitude de bastante respeito à vontade da comunidade da UERN e fundamental ao que diz respeito ao exercício da democracia”, disse.

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *