OPINIÃO

Diário de um interventor

Meu querido diário,

Hoje eu deixarei de ser reitor. Sim, é isso mesmo. Aqueles esquerdistas, comunistas, gayzistas horrorosos, conseguiram na Justiça que eu seja afastado do cargo e que aquele cujo nome me recuso a pronunciar ou escrever seja empossado.

Liguei para o padrinho, digo, o deputado, isto é, o general, que é como ele gosta de ser chamado, e ele disse que está fazendo o possível para reverter isso. Quem sabe algum desembargador que não seja comunista nos dê ganho de causa. Ou nosso querido Presidente da República, que Deus seja louvado por ele, intervenha (ops, odeio essa palavra) nessa decisão.

Mas, o fato é que o próprio MEC afirmou que vai acatar a (urgh) Justiça e empossar Arn… digo, aquele professor que só porque acha que teve a maioria dos votos deve ser escolhido reitor. Humpf. Quem manda é o nosso querido presidente e ele escolhe quem quer. Está na lei. Eu li. O padrinho, digo, nosso deputado, também leu. Que besteira isso de ser empossado quem teve mais votos, esse pessoal esquerdopata inventa cada uma.

Não posso dizer que esteja sendo um dia bom para mim. Recebi pelo Zap muitas mensagens agressivas. E mandaram para mim novamente aqueles vídeos com os professores me ofendendo. Ridículos. Esses esquerdistas-comunistas se acham os tais porque tem seus doutorados e são metidos a ler e falar bem. O que importa é ter padrinho, digo, capacidade de articulação.

Gosto quando me chamavam de reitor pro-tempore, um termo lindo, o latim é lindo, lembra a verdadeira cultura cristão-ocidental… Odeio este termo que a imprensa marrom esquerdista usa para comigo, “interventor”. Como odiei quando a imprensa insinuou coisas quando descobriu que eu era filiado ao PSL. Onde está escrito que eu não podia, como cidadão brasileiro, ser filiado ao partido por onde foi eleito nosso glorioso presidente e que também é o partido do meu querido padrinho, digo… o deputado.

Também me revoltou quando fizeram um estardalhaço com minha compra de 20 Macbooks no valor de 12,7 mil reais, cada, para minha equipe de gestão. Por que não posso comprar o que quero se sou reitor interv… digo, pró-tempore, ou seja, como diziam quando eu era criança e o dono de bola, “quem manda sou eu”? Se fosse um dirigente esquerdopata como o que teve mais votos na eleição e acha que deve ser reitor, a imprensa stalinista não falaria nada, como mal falou quando eles roubaram a Petrobras e que o filho de Lula é o dono da Friboi, como todos nós sabemos.

Descobri pelas mensagens de zap dos meus puxa-sac… digo, informantes leais a mim e ao padrinho, que o pessoal lá do lado daquele outro pretende fazer uma festa hoje à tarde. Confio ainda em Deus, primeiramente, e depois na Justiça e nos meus queridos presidente e padrinho, que isso não vai acontecer e que eu continuarei reitor. Isso é, confio primeiro no padrinho. Bem, seja como for, Deus está do nosso lado, que os Esquerdistas não gostam de deus e zombam dele.

Bem, querido diário, ficarei por aqui. Hoje será um dia longo e não posso dizer que bom, para mim. Padrinho, digo, o general, já me mandou uma mensagem dizendo que tudo ficará bem. Mas, na verdade, ele próprio está preocupado, que a CPI das Fake News, outra invenção esquerdista, descobriu umas coisas bem brabas sobre ele. Nosso presidente querido que tão bem administra o país nesta pandemia também deve estar muito ocupado (os detratores dirão que com a rachadinha de Flávio, com a ABIN ou com o cheque de Queiroz na conta a primeira-dama) para dar atenção a um simples interv… digo, reitor de província. Mas confio em Deus, no presidente, na Justiça e no padrinho, não necessariamente nessa ordem, para que eu continue aqui, pois gosto de mandar, digo, de administrar. Pro-tempore… que termo bonito. Bem melhor que interventor. E que os nomes feios que me chamam.

Sem mais por hoje

J…

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *