OPINIÃO

Dica de documentário: “Submundo: a conspiração da Lava Jato contra Lula”

Eles duvidaram que Lula venceria em 2002. Que seria reeleito em 2006. Apostaram que Dilma perderia em 2010. Jamais acreditaram que seria reeleita em 2014. Eles erraram todas as previsões e resolveram não correr mais nenhum risco: primeiro, deram um golpe para tirar Dilma da presidência, mas isto não bastava. Era preciso impedir que Lula fosse novamente presidente – e foi aí que entraram em cena Sérgio Moro e a Operação Lava Jato”.

Assim começa o curta-documentário intitulado “Submundo: a conspiração da Lava Jato contra Lula”, lançado em 15 de março de 2021, disponível gratuitamente no Canal Rede TVT no Youtube.

Nesta produção audiovisual, são apresentados de forma didática e necessária, os detalhes relacionados aos processos judiciais anulados pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, que diziam respeito ao chamado Triplex do Guarujá e ao Sítio de Atibaia, exaustivamente expostos pela imprensa em um nítido movimento antipetista. 

É claro que a defesa de Lula já tinha arguido a incompetência da “República de Curitiba” para julgá-lo nos próprios autos, bem como perante a Suprema Corte, porém, nada foi feito até que alcançassem o objetivo de tirar Lula da disputa presidencial de 2018. Para isso, tais processos foram mais céleres que muitas causas que se encontram tramitando até em Juizados Especiais pelo Brasil. Lula foi condenado em primeira e segunda instâncias,  e injustamente preso por 580 dias, período em que, entre outras barbaridades, foi impedido de participar do sepultamento do seu irmão, e quase não pode se despedir do próprio neto, de apenas 7 anos. 

Na decisão de Fachin, a perseguição de Sérgio Moro contra Lula não foi enfrentada, a anulação dos processos se justificou pelo reconhecimento da incompetência da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, já que não houve demonstração de que as acusações feitas a Lula tinham relação com desvios na Petrobras, o que justificaria a reunião dos processos nas mãos do então juiz Sérgio Moro.

Omitiu Fachin que as condenações foram produtos de uma conspiração para retirar o líder das pesquisas da disputa eleitoral e tentar suplantar sua vida pública. Mas não conseguiram por completo. Lula emerge agora ainda mais fortalecido, com os seus direitos políticos restabelecidos e houve a confirmação pela Segunda Turma da Egrégia Corte desse país, de que o ex-juiz federal Sérgio Moro foi parcial e jamais poderia ter julgado qualquer processo contra Lula, pois tinha interesses pessoais contra ele – comprovados quando aceitou ser Ministro de Estado do presidente que ajudou a eleger, ao prender Lula e interditá-lo politicamente.

A comprovação veio à tona com a série de reportagens do The Intercept Brasil, e de outros veículos de imprensa, a conhecida #VazaJato, que escancarou diálogos entre membros do Ministério Público Federal e o então Juiz Moro, denotando a relação espúria entre acusação e magistrado, com o objetivo de manipular a instrução probatória e a opinião pública para tentar dar ares de normalidade à perseguição praticada contra o ex-presidente Lula. Aquilo que todo mundo já sabia agora foi confirmado por decisão colegiada do STF.

Lula afirmou que não descansaria até provar que Moro e Dallangnol eram mentirosos, e esse dia finalmente chegou. 

Assista ao documentário completo aqui:

 

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Aline Juliete
Aline Juliete de Abreu é advogada, Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (UFRN), feminista negra e ativista pelos direitos humanos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *