CULTURA

Ovárias: Documentário de Natal sobre empoderamento feminino no Kung Fu será exibido em mostra nacional

Anúncios

A história do empoderamento feminino de mulheres que lutam kung fu em Natal colocou o documentário “Pequena Flor de Ameixa: um fragmento”, da diretora e roteirista Camila Guerra, entre os filmes selecionados de uma premiação nacional. A obra nasceu de vivências da diretora em seus anos de prática do Kung Fu e está entre os filmes exibidos pela Ocupação Ovárias, que faz financiamentos coletivos para instituições que ajudam mulheres em situações de vulnerabilidade.

“Pequena Flor de Ameixa: um fragmento” será exibido domingo (6), às 18h, no site ocupacaoovarias.com.br.

“A ideia é usar essa inspiração e convidar as mulheres a explorarem as potências de seus corpos. Entre dores, cólicas, inseguranças e machismos no tatame. Mostramos que o corpo da mulher não é nada frágil e que o lugar dela é na luta, se ela quiser!”, ressalta a diretora.

Camila nasceu em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, mas mora em Natal há 10 anos.

“Comecei a fazer Kung Fu em 2015 e em 2018, surgiu essa imensa vontade de fazer um documentário sobre minha vivência enquanto mulher nessa arte marcial. No mesmo ano, entrei na Especialização em Produção de Documentários, na UFRN, coordenada por Ruy Rocha, e desenvolvi meu projeto que depois se chamaria Pequena Flor de Ameixa”, explica a documentarista que, durante o curso, também produziu o curta A mesa (2019), além de dirigir e roteirizar curtas ao lado de colegas, dentre eles: Líricas (2019), À procura de som encontrei lixo (2019), Reconectar-se: APA de Jenipabu (2019).

Fora da especialização, Camila produziu os curtas: Gostoso (2020), Dia dos avós (2020) e Pequena flor de ameixa: um fragmento (2020). Além da produção da cineasta, outros dois filmes potiguares também foram selecionados para compor a programação da Ocupação Ovárias: “Bálsamo”, de Pam Dutra, e “Planta Carne”, de Julia Donati, que também é diretora de fotografia do Pequena Flor de Ameixa.

Uma das dificuldades para quem atua no audiovisual é o financiamento. Mas Camila conta que a inspiração foi maior que as dificuldades.

“Não acho que fazer cinema aqui seja difícil quanto à potência criativa e artística, porque olha o tanto de obra incrível que é produzida aqui! Natal é uma cidade inspiradora, mas se falarmos de questão de incentivo, aí sim! Falta mais reconhecimento da cena audiovisual do RN, mas também sinto que há uma movimentação grande em busca de ocupar espaço em festivais e mostras por aí e isso é um grande incentivo para quem entrando na cena agora, como eu”, avalia.

Ocupação Ovárias

É uma ocupação artística idealizada e organizada por mulheres que dá esse espaço para que outras mulheres possam expor seus trabalhos em diversos segmentos artísticos. Essa é a 5ª edição do evento e conta com mais de 100 projetos. O grupo abre financiamento coletivo para arrecadar recursos para movimentos sociais cujo foco do trabalho seja a mulher.

Agenda – A exibição do filme será na sessão do dia 6 de Setembro, às 18h, no site ocupacaoovarias.com.br .

Instagram:

@ocupacao_ovarias

@_pequenaflordeameixadoc

link da vaquinha: vaka.me/1334803

Trailer de Pequena Flor de Ameixa: um fragmento

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *