OPINIÃO

Eleitor potiguar parece cansado das oligarquias e dos “políticos de sempre”

Anúncios

O Rio Grande do Norte sempre viveu um paradoxo político, muito comum no país: reclamava-se dos “políticos de sempre” e da ineficácia deles e eleição após eleição os escolhidos pelos potiguares sempre foram “os de sempre”, leia-se aí tantos os próprios como seus familiares e agregados. Desta forma durante um século ergueram-se três oligarquias políticas no Estado, claro, os Alves, Maia e Rosado, circundados por mini-oligarquias regionais (os Rego, em Pau dos Ferros, os Soares, em Assu e por aí vai).

Os números confirmam essa vocação esquizofrênica do eleitor norte-riograndense. Henrique Alves passou 44 anos na Câmara Federal, e passaria lá mais umas décadas não fosse o sonho de governar o Estado. O primo Garibaldi está há um quarto de século no Senado, assim como o também ex-governador, José Agripino Maia. Exemplos não faltam e cansariam os leitores.

Mas, por falar em cansar, finalmente esta cultura oligárquica/hereditária parece ter cansado o eleitor. Não completamente, claro, ainda são muitos os “filhos de fulano” e as “esposas de beltrano” a conquistarem cargos eletivos neste pleito, mas, parece haver a chance real de ter uma diminuição nesta cultura, o que seria um primeiro passo.

Comecemos pelo Governo. O favoritismo e liderança nas pesquisas é de Fátima Bezerra, ex-professora vinda de Nova Palmeira, cidade paraibana, abissalmente distante de seus concorrentes Carlos Eduardo Alves (sobrinho e primo de ex-governadores) e de Robinson Faria (filho de Osmundo, que quase foi ungido governador biônico durante a Ditadura Militar).

Anúncios

Não precisa se ir longe para perceber que os antecessores de Robinson eram todos de oligarquias. Robalba (da família Rosado), Iberê (Ferreira  de Souza), Wilma (ex-esposa de ex-governador da família Maia).etc etc etc.

No Senado, os ex-governadores Garibaldi e Geraldo Melo brigam com foice pelas duas vagas com Zenaide Maia (sobrenome de oligarquia e com família toda na política, mas com modus operandi diferenciado) e com a celebridade Capitão Styvenson Valentim.

Na Câmara Federal, nomes identificados com hereditariedade de poder temem perder mandatos, casos de Beto Rosado, Rafael Motta e Rogério Marinho. Outros, como Felipe Maia, sequer serão candidatos, já que este, especificamente cedeu a vaga de candidato para o pai, José Agripino, que recuou de tentar reeleição para o Senado (o que já é um indicativo da ideia central deste texto).

E para a Assembleia Legislativa, existe a chance de renovação de até 30%, com nomes novos despontando no cenário marcado por polarização e descredibilidade do eleitor com os políticos.

Claro que computadas as urnas, o eleitor pode surpreender e mostrar que não esquece os velhos sobrenomes, mantendo a relação tapas e beijos que lhe caracteriza com este tipo de político. Mas, por outro lado, poderemos ter uma renovação real com sobrenomes ilustres caindo fora da vida pública. Esperar para ver.

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *