CIDADANIA

Em nome de Marcos Dionísio, família do ativista recebe comenda de Direitos Humanos no Senado 

Anúncios

O advogado, comunista e ativista de Direitos Humanos, Marcos Dionísio Medeiros Caldas, foi um dos homenageados nesta quarta-feira (11) pela Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara, do Senado Federal. Conhecido como “Mosquito”, ele morreu em fevereiro de 2017 vítima de câncer. O nome de Marcos Dionísio foi apresentado pelo senador Jean Paul Prates.

Segundo o parlamentar do PT, Mosquito deixou um trabalho inestimável na luta pelos direitos humanos no Rio Grande do Norte e no Brasil.

“Estamos homenageando um homem que não apenas trabalhou pelos direitos humanos. Ele realmente dedicou sua vida à causa”, afirmou.

Marcos Dionísio foi um dos principais ativistas dos direitos humanos no Rio Grande do Norte. Participou da elaboração do Programa Estadual de Direitos Humanos, em 1998; criou o Comitê de Vítimas da Violência, em 2000; foi coordenador da campanha Ficha Limpa no Rio Grande do Norte, em 2009 e 2010; tendo coordenado a criação dos Centros de Atendimento a Vítimas de Violência e de Referência em Direitos Humanos e de Combate a Homofobia no estado.

Arthur Pinheiro Caldas recebeu a homenagem em nome da família

“A homenagem a Marcos deve servir de estímulo para que todas e todos que puderam algum dia ser picados pelo “Mosquito”, tenham cada vez mais certeza da necessidade de reafirmação dos Direitos Humanos e da busca por novas conquistas, bem como que todo segundo de luta faz valer a vida”, disse o representante da família, Artur Samuel Pinheiros Caldas.

Além de Mosquito, a Comunidade Nova Aliança/RN, instituição que trabalha com adictos do Rio Grande do Norte, também recebeu a Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara. Ela foi uma indicação do senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).

Comenda

A Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara é entregue anualmente pelo Senado a personalidades ou instituições que tenham oferecido contribuição relevante à defesa dos direitos humanos no Brasil.

Para o senador Jean Paul, a atual quadra da história brasileira está demonstrando o quanto lutar pelos direitos humanos é imprescindível. “Estamos aqui para celebrá-lo, homenageá-lo, bem como a todos os demais homenageados e celebrados deste dia. Cabe a nós agora prosseguir nessa luta com esses exemplos de alto padrão”, afirmou.

Deputada Natália Bonavides (PT), Jean Paul Prates (PT) e Styvenson Valendim (Podemos) entregam placa para filho de Marcos Dionísio

Os homenageados da edição deste ano foram Aleixo Paraguassú Netto, indicado pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS); Marcos Dionísio Medeiros Caldas (in memoriam), indicado pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN); a Comunidade Nova Aliança, indicada pelo senador Styvenson Valentim (Podemos-RN); Damares Regina Alves, indicada pelo senador Chico Rodrigues (DEM-RR); Frei Hans, indicado pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO); Irmã Silvia Vecellio Sai, indicada pela senadora Soraya Thronicke (PSL-MS); e Rosa Geane, indicada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *