TRABALHO

Empresa de call center impede entrada de equipe de fiscalização da Sesap na empresa

Anúncios

Uma equipe de fiscalização da secretaria estadual de Saúde Pública foi barrada na quinta-feira (2), quando tentava entrar em uma das unidades da empresa de Call Center Teleperformance. O objetivo da visita era verificar se as medidas e condições determinadas pelo Ministério Público do Trabalho e pelo Governo do Estado para a prevenção de contágio pela Covid-19 estavam sendo cumpridas.

O episódio aconteceu na Teleperformance de São Gonçalo do Amarante, região metropolitana de Natal, e a tentativa de acompanhamento presencial da situação se deu pelo recebimento diário de reclamações e denúncias de funcionários da empresa, que continuam trabalhando diante situação de pandemia.

A vistoria foi executada por equipe do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador da SESAP. A assessoria da pasta informou que após a resposta negativa da empresa, o órgão encaminhou um relatório para o Ministério Público do Trabalho explicando a situação e solicitando providências.

A subcoordenadora do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador da SESAP, Kelly Barros, explicou que as medidas a serem fiscalizadas devem ser cumpridas como forma de cuidado com cada pessoa que circula dentro da empresa.

“Para todas as empresas que estamos fiscalizando é necessário o cumprimento de medidas como a diminuição do efetivo de trabalho dando férias coletivas ou instituindo teletrabalho, medida possível para a empresa Teleperformance. Também é recomendado a afastamento a pessoas que apresentem sintomas de gripe por 14 dias, sem qualquer prejuízo aos salários. Além disso, indicamos que haja a conscientização desses funcionários quanto a importância dos cuidados de prevenção, bem como deve a empresa disponibilizar produtos de higiene de forma ininterrupta”, esclarece a subcoordenadora.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do RN (Sinttel/RN), Iara Martins, a empresa não permite qualquer diálogo conclusivo sobre a situação dos trabalhadores.

“Nós temos recebido reclamações e denúncias diárias e tentamos tratativas com a empresa, que sempre nos dá respostas genéricas, inconclusivas dificultando a resolução desses problemas. Não recebemos qualquer informação sobre o número de funcionários liberados ou que estão cumprindo regime de banco de horas”, relata Iara.

Alguns funcionários de Call Centers do RN denunciaram à Agência Saiba Mais a situação vivida nas empresas. 

O SINTTEL e o MPT/RN tem insistido em cobranças da empresa, para fazer cumprir as recomendações de higiene, distância mínima e liberação de funcionários em grupos de risco para a Covid-19. O Sindicato solicitou a todas as empresas de teleatendimento que atuam no Estado – AeC, Contact Center Riachuelo e Teleperformance – que informem sobre os planos de contingência emergencial adotados.

Segundo a presidente do Sinttel, a maior dificuldade tem sido com a TP. Já a AeC e Contact Center Riachuelo têm respondido aos questionamentos e esclarecido sobre as medidas de prevenção tomadas.

“Nós nunca conseguimos um diálogo assertivo com a Teleperformance e, desde o início da pandemia que tentamos, até hoje recebemos diariamente reclamações de funcionários relatando que não tem álcool em gel suficiente, que tem mulheres grávidas e pessoas com doenças crônicas ainda indo trabalhar. E no caso dos que foram afastados, precisamos saber em quais condições, que documentos esse trabalhador teve que assinar. Estamos sempre levando essas denúncias ao MPT e sabemos que as medidas tomadas pela empresa até então são insuficientes”, disse Iara Martins.

O Governo do Estado publicou um novo decreto na quinta-feira (02) que consolida as medidas de saúde para enfrentamento ao Coronavírus. Para o setor de teleatendimento, o decreto dispõe que os estabelecimentos devem observar a distância mínima de dois metros entre funcionários, clientes e usuários, sob pena de multa e interdição.

Também é recomendado através do decreto 29.583 que não se podem compartilhar equipamentos de uso pessoal, como headsets e microfones. Ainda segundo a recomendação estadual, os call centers devem reduzir sua força de trabalho em 50% por turno. O descumprimento das condições pode ser denunciado ao Sinttel através do instagram @sinttelrn ou ao Ministério Público do Trabalho por meio do site http://www.prt21.mpt.mp.br/

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *