TRANSPARÊNCIA

Entregadores por aplicativo fazem 2º #BrequeDosApps em Natal e lançam manifesto

Os entregadores por aplicativos do país realizam neste sábado (25) uma nova manifestação nacional por melhores condições de trabalho e reajuste nas tarifas pagas por quilômetro rodado aos profissionais, que atualmente varia entre 50 centavos e 1 real por Km. Em Natal (RN), os trabalhadores se concentraram pela manhã na lateral do shopping Midway Mall.

O 2º #BrequeDosApps acontece em todas as capitais e principais cidades do Brasil. O lema do movimento é “Não existe patrão sem força de trabalho, mas existe força de trabalho sem patrão”. A hashtag #BrequeDosApps chegou a aparecer entre os assuntos mais comentados do twitter na manhã de hoje.

Só na capital do Rio Grande do Norte mais de 10 mil entregadores trabalham de moto nas ruas e aproximadamente dois mil realizam entregas de bicicleta.

Os manifestantes pedem para que os colegas desliguem os Apps durante 24 horas e orientam a população a não pedir comida ou qualquer outro produto por operadoras como Ifood ou Uber eats, gigantes do setor.

Usuários, nos ajudem nesta luta não fazendo pedidos pelos Apps, liguem direto para o delivery dos pequenos restaurantes e hamburguerias da sua cidade”, diz o comunicado.

O entregador Maciel Medeiros é uma das lideranças do movimento no Rio Grande do Norte. Ele explica que o protesto foi convocado para reafirmar a insatisfação dos entregadores por aplicativos com a atenção dada pelas operadoras às reivindicações da pauta da primeira grande manifestação realizada em junho e que se mantém no 2º breque:

– Como não houve nenhuma manifestação concreta das operadoras dos aplicativos para abrir diálogo com entregadores decidimos fazer esse ato pra chamar a atenção novamente antes de partir para os breques dos pontos de venda. Estamos mais uma vez tentando ser ouvidos”, afirmou.

Trabalhadores se concentraram na lateral do shopping Midway Mall

Na pauta nacional de reivindicações da categoria, além do reajuste no valor pago por quilômetro aos entregadores, os trabalhadores também lutam pelo aumento do valor mínimo por pedido, fim dos bloqueios indevidos, auxílio-pandemia (EPIs e licença), seguro contra roubo, acidente e de vida, fim da pontuação e restrição de local.

Parte dos trabalhadores mobilizados em Natal lançaram o manifesto dos Entregadores Antifascistas. O grupo pede o apoio da sociedade e chama a atenção para a exploração a que esses trabalhadores autônomos estão submetidos:

– O movimento dos Entregadores Antifascistas nasceu da necessidade de organização da nossa categoria, com um programa de luta permanente que questione as estruturas que sustentam as opressões que caem sobre nós e vá na raiz do problema. Precisamos de um movimento que dê nome aos bois
(ou porcos capitalistas) que lucram com o nosso suor e sangue,
 que passeiam em cruzeiros luxuosos enquanto milhões de nós
estamos nas ruas, trabalhando para produzir o dinheiro deles, no 
frio e muitas vezes com fome, sem direito a um prato nem remunera-
ção que pague uma refeição digna. Conhecemos o aroma das melhores
 comidas das cidades e não temos direito nem a um prato de arroz e feijão por parte das empresas! Precisamos de uma luta unificada contra àqueles que lucram enquanto nós morremos em acidentes, ou ficamos com sequelas permanentes, nas correrias do dia a dia”, diz um trecho do manifesto.

Confira o manifesto dos Entregadores por Aplicativo Antifascistas

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *