TRANSPARÊNCIA

“Estamos mais perto do lockdown do que da flexibilização”, alerta secretário-adjunto de Saúde no RN

O secretário-adjunto de Saúde no Rio Grande do Norte Petrônio Spinelli não usou meias palavras nesta quarta-feira (6) para definir o cenário dramático que se anuncia no Estado:

– Estamos mais perto do que do lockdown do que da flexibilização. O nosso índice de isolamento social é um dos mais baixos. Estamos abaixo de 40%, um prenúncio de crise e endurecimento das restrições. A aglomeração da rua tem consequência. Estamos entrando na fase extremamente perigosa”, afirmou durante coletiva de imprensa.

Lockdown é o confinamento total, só sendo permitido sair de casa para ir à farmácia, mercado, médico e banco. Apenas os profissionais de serviços essenciais estariam liberados para ir ao trabalho. Alguns estados do país como o Maranhão e o Pará já começaram a adotar esse modelo em alguns municípios. O Ceará, Pernambuco e São Paulo também já ensaiam implementar o isolamento total.

Spinelli reconheceu que esse é o momento mais delicado em relação à pandemia e que o pior cenário ainda está para acontecer.

– O momento é difícil, grave. Esse é o pior dia para nós. Não só pelos números, mas pelo cenário que está se anunciando. Estamos com medo de passar do “estamos avisando” para o “eu avisei”. A situação é de muito risco e precisamos encontrar o caminho juntos”, disse.

RN chega a 72 mortos e 1.644 pacientes doentes

O Rio Grande do Norte chegou a 72 mortes e outros 25 óbitos estão sendo investigados pela vigilância sanitária. Nas últimas 24 horas quatro vítimas foram confirmadas, nenhuma em Natal. Os novos óbitos foram registrados em Tabuleiro Grande, Ipanguaçu, Serra Negra e Areia Branca. Spinelli destacou o caso de Tabuleiro Grande onde não havia nenhum paciente diagnosticado com a Covid-19. E reforçou que não há nenhuma cidade do Estado em que o novo Coronvírus não esteja circulando:

– Em Tabuleiro Grande não tinha nenhum caso e já veio óbito. Não existe uma cidade no Rio Grande do Norte ou bairro de Natal onde o vírus não esteja circulando. Às vezes pode não haver notificação e quando aparece já é um óbito. Precisamos acabar com essa ilusão: o vírus está no estado inteiro. E ainda tem um detalhe: quando essa epidemia vai para a periferia e para o interior os óbitos voltam àquele perfil predominante no Brasil e no mundo com idosos sendo maioria”, disse.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Sesap, o número de suspeitos já chegou a 5.503 e 1.644 pacientes já foram confirmados com a Covid-19. Ao todo, 662 pessoas já se recuperaram da doença.

Petrônio Spinelli afirmou ainda que os municípios não conseguirão vencer a Covid-19 de forma isolada. Por isso, fez um apelo para que os prefeitos se integrem aos planos de contingências regionais.

– As UPAs ficarão superlotadas com pacientes da Covid-19. Não podemos ter a ilusão de que vamos resolver isoladamente. Não tem como. Os municípios levam sua situação para as regiões através dos planos regionais. Cada cidade deve procurar a região para se inserir no plano de contingência”, disse.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *