DEMOCRACIA

“Eu sei lá o que essa mulher tava fazendo para merecer dois tapa”, diz senador Styvenson sobre mulher que apanhou de policial no RN

Em vídeo que está sendo compartilhado em grupos de WhatsApp, o senador e capitão da PM, Styvenson Valentim (Podemos-RN), diz que a mulher agredida por um policial militar no Rio Grande do Norte neste mês de julho pode ter merecido a agressão.

Os policiais que participaram da operação já foram afastados por determinação da governadora Fátima Bezerra e a PM abriu inquérito administrativo para apurar a conduta dos agentes.

A frase completa do capitão está transcrita a seguir, com todos os erros (linguísticos, morais, éticos e humanos):

“Me pegaram em uma entrevista e disseram: capitão o caba deu na mulher com uma criança… e não sei nem o que, não sei nem o que…. e eu disse: amigo, eu num tava na ocorrência. Eu num tava. Eu não sei como foi. Como eu vou dar uma explicação de uma coisa que eu… Pelo vídeo aí, eu tô vendo que ele está dando dois tapa na mulher… uns tapa aí bom, na mulher. Agora, eu sei lá o que essa mulher fez para merecer os tapa, porra. Será se ela estava calada, rezando… o Pai Nosso para levar dois tapa? Eu num sei, porra… eu num sei!”

O vídeo não está mais disponível no perfil do Instagram do político e nem é possível saber a data em que foi publicado. No trecho, é possível ver que foi extraído de uma live gerada no perfil pessoal do capitão da PM.

A agressão à mulher que rendeu o comentário do senador ocorreu há pouco mais de uma semana no município de Santo Antônio, interior do Rio Grande do Norte. Uma mulher com uma criança de colo que tinha chamado a Polícia Militar por causa das agressões que estava sofrendo em casa, pelo companheiro, acabou apanhando de um policial militar durante o atendimento da ocorrência.

Pelo vídeo gravado por um vizinho, depois que a PM chega à residência da mulher, ela tenta intervir para que o companheiro não seja agredido pelos policiais, um dos PM’s se irrita e, já do lado de fora da casa, bate na cara da mulher, enquanto essa segurava uma criança de colo.

Um outro policial, que também fazia parte da equipe da PM no atendimento à ocorrência, segura a criança para evitar que ela também seja agredida e retira o bebê dos braços da mãe enquanto o colega continua a bater na mulher, que vai ao chão.

O vídeo circulou o Brasil através de redes sociais e foi gravado uma dia após a celebração de 15 de julho, Dia Estadual de Combate ao Feminicídio. Na cena, o policial ainda chama a mulher de “cachorra”.

A governadora Fátima Bezerra (PT) se pronunciou sobre o assunto no Twitter, afirmando que “medidas já foram adotadas” e os policiais envolvidos no caso foram afastados e terão as condutas apuradas, com direito de defesa. Ela classificou a ocorrência como “uma cena abominável, que agride não só a nós, mulheres, mas a uma sociedade atenta a um contexto que, infelizmente, continua a nos horrorizar e a nos indignar”.

Bezerra diz ainda que o fato é inaceitável em um governo que prioriza políticas públicas de combate à violência contra a mulher, e cita o núcleo de investigação policial de combate ao feminicídio, a patrulha Maria da Penha, delegacia virtual de atendimento às mulheres e casa de acolhimento à mulher vítima de violência como ações da gestão.

“Não mediremos esforços e seguiremos firmes para tornar o Rio Grande do Norte um Estado livre do feminicídio, onde as mulheres possam viver com dignidade e sem violência”, prometeu a governadora que conta ter ligado para o secretário de Segurança Pública do Estado, Coronel Araújo, o comandante da Polícia Militar, Coronel Alarico e para a delegada-geral, Ana Cláudia Saraiva assim que tomou conhecimento sobre o episódio.

SAIBA MAIS: “Uma cena abominável”; Fátima Bezerra se pronuncia após vídeo flagrar policiais do RN dando tapas em mulher com criança no colo

SAIBAMAIS: Vídeo: Policial militar agride mulher durante atendimento a caso de violência doméstica no RN

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *