CULTURA

Festival Dosol 2019 celebra representatividade e resistência nordestina

Das 57 bandas do line up oficial do festival Dosol, 32 são do Nordeste. Além das 19 pratas da casa do Rio Grande do Norte, o público que passar pelo Bech Club neste sábado (23) e domingo (24) vai conferir o som com sotaque nordestino que vem de Pernambuco, da Paraíba, de Sergipe e da Bahia.

Produtor e um dos idealizadores do festival que completa 16 anos em Natal (RN), Anderson Foca defende a representatividade da região:

– Essa é a premissa do Dosol desde sempre. Gostamos de ter isso com a gente, o festival acontece no Nordeste e o nosso público não é só de Natal. Fizemos um show no Crato (CE) outro dia e muita gente disse que vinha. Então, valorizamos muito isso, essa representatividade é pertinente com a gente. E do ponto de vista do celeiro o Nordeste é uma coisa absurda, tanto que não temos capacidade de absorver tudo. Mas esse tipo de recorte faz parte do nosso DNA”, disse.

A cena paulistana também vem forte. De São Paulo vem 12 bandas, entre elas os habituês do festival Francisco Del Hombre, Ekena e Ana Cañas. Outro destaque a se apresentar já na abertura é a banda baiana Àttooxxá.

Uma das novidades de 2019 é a celebração do encontro entre bandas de estados distintos no mesmo palco. A curadoria pediu que algumas bandas do Rio Grande do Norte convidassem bandas de outros estados e grupos de outros estados fizeram o convite para músicos potiguares.

A partir daí, por exemplo, será possível assistir Luísa e os Alquimistas dividindo os vocais com a pernambucana Jéssica Caitano ou os músicos do Camarones Orquestra Guitarrística fazendo um duo com o mestre paraense Manoel Cordeiro. Aliás, algumas das parcerias que o público verá no palco já rendem frutos:

– A Jéssica Caitano já canta no disco da Luísa, o Camarones vai entrar em estúdio no início do próximo ano para gravar um disco com Manoel Cordeiro também. Essas parcerias estão acontecendo para além dos shows, temos visto o resultado já acontecer”, contou.

Luísa e os Alquimistas são uma das 19 pratas da casa do Rio Grande do Norte (foto: divulgação)

Além dos encontros, o festival também vai abrir o palco para batalhas de MC’s e traz duas bandas estrangeiras: Paal Nilssen-Love, da Noruega, e Mondo Generator, dos Estados Unidos.

Pelo terceiro ano consecutivo, o festival do Dosol acontecerá na beira da praia. Para Foca, o local está consolidado, assim como o formato com quatro palcos no Bech Club. Sobre os desafios da curadoria na hora de definir as bandas, ele diz que leva em consideração critérios como representatividade:

– A gente leva em conta paridade de gênero, quer ver a negritude representada, a comunidade LGBT representada, é um festival bem representativo. São mais de 300 bandas pra escolher 50, é um desafio, mas estamos animados e temos ficado muito felizes ano após ano com o resultado”, diz.

O norueguês Paal Nilssen-Love se apresenta pela primeira vez em Natal (RN)

Com o governo Bolsonaro tratando artistas e produtores de cultura como inimigos, produzir eventos de grande porte têm sido cada vez mais desafiador para quem trabalha e vive de cultura. Apesar de tudo, Anderson Foca segue otimista:

– Esse governo tem sido o pior possível para quem faz cultura, tem uma visão muito rasa do que é cultura, mas a gente não vai se curvar porque tem um recorte temporal político que não nos favorece. O DoSol tem 20 anos e o festival já tem 16. Essa reação do governo deixa todo mundo triste, mas não surpreende. E tem sido um desafio. A bilheteria e o bar não pagam um quarto do festival, mas a gente corre atrás. Esse ano está mais bonito, mais bem acabado. Estamos prontos para dar um passo para atrás, caso precise, mas por enquanto só estamos andando pra frente”, concluiu.

O Festival Dosol 2019 tem patrocínio da Oi através da Lei Câmara Cascudo e Governo do RN, Devassa Tropical Transforma, Natura por meio do Natura Musical, Prefeitura do Natal e apoio cultural da Oi Futuro, o player oficial é o Spotify e a Sympla é a nossa plataforma de venda de ingressos.

Confira a programação e o horário dos shows de todas as bandas

SÁBADO – 23/11

PALCO TROPICAL TRANSFORMA
17H00: LUAZ (RN)
18H10: TUYO (PR)
20H00: TERNO REI (SP)
21H20: BRAZA (RJ) *PART. DUSOUTO (RN)
23H20: FELIPE CORDEIRO (PA)
00H40: ÀTTOOXXÁ (BA)
02H10: HEAVY BAILE (RJ)

ARENA OI
16H30: DEGA(RN)
17H30: TACO DE GOLFE (SE)
19H10: JOSYARA (BA)
20H40: POTYGUARA BARDO (RN)
22H30: ROMERO FERRO (PE)
00H00: ROSA NEON (MG)
01H40: DEMONIA (RN)

PALCO NATURAL MUSICAL

16H30: HAXIXE XAVIER (PB)
17H30: RAÇA (SP)
19H10: O QUADRO (BA)
20H40: ANA CAÑAS (SP)
22H30: LUÍSA E OS ALQUIMISTAS (RN) *PART. JÉSSICA CAITANO (PE)
00H00: ORQUESTRA GREIOSA (RN) *PART. EKENA (SP)
01H40: NOID (PR)

PALCO SPOTIFY
16H00: SOUREBEL (RN)
17H00: FONTES (PB) & SINTA A LIGA CREW (PB)
18H10: BATALHA DE MCS
20H00: CAZASUJA (RN)
21H20: PAAL NILSSEN-LOVE (NORUEGA) & KIKO DINUCCI (SP) *PART. CHICO CORREA (PB)
23H20: AIYRA (RN)
00H40: LUIZ GADELHA E OS SUCULENTOS (RN) *PART. ÁRIE (RN), MELLY (BA), SARAH MIRANDA (RN)

DOMINGO – 24/11
PALCO TROPICAL TRANSFORMA
16H00: YAMASASI (SP)
17H00: VIOLET SODA (SP)
18H20: CAMARONES ORQUESTRA GUITARRÍSTICA (RN) *PART. MANOEL CORDEIRO (PA)
19H50: DINGO BELLS (RS)
21H20: MAGLORE (BA)
23H20: FRANCISCO EL HOMBRE (SP)

ARENA OI
16H30: HEAVENLESS (RN)
17H40: HELL LOTUS (RN)
19H10: OPEN THE COFFIN (RN)
20H30: MONDO GENERATOR (EUA)
22H20: BLACK PANTERA (MG)

PALCO NATURAL MUSICAL
16H30: JÚLIO LIMA (RN)
17H40: LUIZ LINS (PE)
19H10: MEL AZUL (SP)
20H30: DRIK BARBOSA (SP)
22H20: MULAMBA (PR)

PALCO SPOTIFY
16H00: DEAF CRUISER (RN)
17H00: GRINDHOUSE HOTEL (SP)
18H20: BIKE (SP)
19H50: COMBOVER (SP)
21H20: O TAROT (DF)

 

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"