CULTURA

FliBeco: Beco da Lama toma um porre de literatura neste sábado

A febre dos festivais literários que circulam o país há quase duas décadas, em diferentes formatos e versões, ganha um irmão mais novo neste sábado (27), a partir das 12h, em Natal. A região boêmia da Cidade Alta será o cenário da primeira edição do FliBeco, o festival literário do Beco da Lama.

O evento é realizado pela Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências (Samba), entidade criada nos anos 1990 com o intuito de fomentar a cultura e jogar luz sobre a importância de preservação do patrimônio histórico da capital potiguar.

A FliBeco começa tímida no tamanho, mas já extremamente relevante e ousada nos debates propostos. Diversidade sexual na literatura, isonomia entre homens e mulheres, literatura negra e produção LGBT estão em pauta nas mesas de bate-papos que se juntam às mesas dos botequins do Beco.

Direção da SAMBA, a primeira formada só por mulheres, organiza o 1ª FliBeco

“A Flibeco foi pensada como uma maneira de reunir escritores e escritoras de Natal e Região Metropolitana para debater a literatura produzida no Estado. Pensamos em diversidade, em equidade entre homens e mulheres, em dar espaço para a literatura negra, na produção literária LGBT. Enfim, apesar das nossas limitações de espaço, tempo e produção, quisemos zelar pela abrangência e diversidade”, conta Jeanne Araújo, membro da Samba, que divide a curadoria do festival com Hortênsia Carvalho e Amélia Freire.

Diferente dos festivais semelhantes, em 2019 não haverá nenhum escritor homenageado pelo FliBeco, que tem o patrocínio a prefeitura de Natal. A expectativa da Samba é que o festival seja incorporado ao calendário cultural da cidade.

Entre os nomes que participam das mesas, a 1ª edição prestigia artistas, escritores e frequentadores da própria região do Beco da Lama, como Cellina Muniz, Thiago Medeiros, Civone Medeiros e Jeovânia P, além de outros jovens e experientes nomes de Natal e região metropolitana.

Além das mesas-redondas haverá o lançamento de livros do secretario municipal de Cultura Dácio Galvão e do jornalista e produtor cultural Eduardo Alexandre, o Dunga. Entre os sebos que participam do FliBeco estão Lisboa, Balalaika, Gajeiro Curió e Cata Livros. O movimento cultural de Ceará-mirim Goto Seco fará uma performance poética na calçada.

 “Esperamos que tenhamos um ótimo número de pessoas e nossa intenção é que a FLIBECO se torne um evento fixo sim. Estamos trabalhando pra isso”, comentou Jeanne Araújo.

Programação

Os poetas Thiago Medeiros e Michelle Ferret estão na programação

12h – Independência na Terra do Sol: os novos alternativos da literatura potiguar

Convidados: Maria Luíza Chacon e Victor de Azevedo

Mediação: Pedro Lucas

14h – Importância e Resistência LGBT na literatura potiguar

Convidados: Thiago Medeiros e Sid Schneider

Mediação: Michelle Ferret

16h – Literatura feminina negra no RN

Convidados: Jeovânia P e Célia Bombom

Mediação: Elizabeth Lima

18h – Literatura falada à declamada

Convidados: Cellina Muniz e Civone Medeiros

Mediação: Aparecida Tavares

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *