CULTURA

Fotógrafa revela identidade do Pinta Natalense em exposição

A fotógrafa potiguar Meysa Medeiros participa nesta quarta-feira (14) da Maratona Fotográfica, em Parnamirim, com a exposição “Pinta Natalense”, cuja motivação foi um curso “Periferia e Memória”, realizado com o professor Dante Gastaldoni, coordenador do projeto da escola popular de Fotografia do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro. O evento começa às 18h, no Cine Teatro de Parnamirim.

A exposição sobre o Pinta Natalense, personagem que retrata um tipo jovem da periferia de Natal, contará com cinco fotos. Os registros de três adolescentes foram realizados nos bairros das Rocas, conjunto Santa Catarina e Felipe Camarão e chegaram a ser publicados em 2017 na revista Fotografe Melhor, veículo de circulação nacional e voltada para o segmento de fotografia.

O ensaio foi usado por Meysa como trabalho de conclusão do curso de fotografia na UnP.

Sobre o pinta natalense, Meysa explica que a ideia é dar visibilidade aos personagens da periferia.

– (A ideia) é exatamente mostrar “o outro lado ” do jovem de periferia brasileiro e tentar desmistificar a imagem dele em relação ao mundo do crime. O ensaio tem como objetivo dar visibilidade ao jovem periférico, o chamado “Pinta Natalense”, individuo urbano da cidade do Natal, capital potiguar. O Pinta é conhecido por agrupar a si uma ampla conjunção de particularidades como símbolos, gestos, vestuários e vocabulário que fazem parte do seu universo próprio. Através das fotografias pretende-se apresentar os jovens de forma diferente do que é retratado pela grande mídia.

A Maratona Fotográfica é um projeto que expõe durante 24 horas o trabalho de fotógrafos profissionais e amadores, como Henrique José, Canindé Soares, Adrovando Claro, Patrícia Régia, Max Pereira, Marcelo Buanain, Ricardo Peixoto, Mateus Sá, Fernando Pereira, entre outros.

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *