TRANSPARÊNCIA

Governo vai usar antigo hospital Papi para atender pacientes do Coronavírus

Anúncios

A governadora Fátima Bezerra (PT) anunciou que o Estado vai requisitar neste domingo (22) o uso do antigo hospital Papi – hoje desativado – para atender pacientes infectados com o novo Coronavírus.

Um portaria será publicada na edição da próxima terça-feira (24) do Diário Oficial do Estado (DOE). O Governo poderá usar a estrutura por 180 dias prorrogável pelo tempo que durar a pandemia do Coronavírus.

A requisição emitida pela autoridade sanitária, assegura a ocupação imediata do Papi por agentes públicos estaduais e a adoção de todas as medidas necessárias ao início das atividades com a maior brevidade possível. Após a entrada no imóvel, deverá ser feito inventário de bens em conjunto com o proprietário ou seu representante.

Mergulhado em dívidas em razão dos mais de 700 processos trabalhistas, o Papi estava fechado desde 2017 e chegou a ter parte da estrutura demolida. A unidade tem capacidade para receber 150 leitos, além de centro cirúrgico, centro de cuidados e consultórios. O prédio foi comprado em 12 de março deste ano pelo grupo Delfin Saúde e Incor Natal por R$ 18,9 milhões.

“Vamos publicar uma portaria requisitando o prédio do antigo hospital Papi, bem como os equipamentos que lá estão, que passarão a ser gerenciados pela Sesap para atender os casos suspeitos ou confirmados de Covid-19. Mais uma medida que chega para somar forças na contenção da pandemia”, escreveu no twitter a governadora Fátima Bezerra.

Com isso o atendimento aos pacientes suspeitos ou confirmados poderá ser reorganizado, desafogando os hospitais de referência contidos no Plano de Contingência em atualização, nesse contexto em que se projeta uma rápida expansão do número de casos, a partir da declaração de transmissão comunitária em todo o país. A requisição se estende aos respectivos equipamentos contidos naquela unidade hospitalar, desativada há alguns anos.

Com isso o atendimento aos pacientes suspeitos ou confirmados poderá ser reorganizado, desafogando os hospitais de referência contidos no Plano de Contingência em atualização, no contexto em que se projeta uma rápida expansão do número de casos, a partir da declaração de transmissão comunitária em todo o país. A requisição se estende aos respectivos equipamentos contidos naquela unidade hospitalar, desativada há três anos.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *