CIDADANIA

Historiadora e ativista de Direitos Humanos, Leilane Assunção morre em Natal

Leilane Assunção escreve às quintas-feiras, na agência Saiba Mais
Anúncios

A historiadora, ativista e professora Leilane Assunção, 37 anos, não resistiu a uma infecção motivada por um fungo e morreu na manhã desta terça-feira (13), por volta das 5h, no hospital Giselda Trigueiro. Ela estava internada há 30 dias na unidade, teve uma melhora, mas foi levada para a UTI no final de semana após piora em seu estado de saúde.

A informação foi divulgada pela amiga e ex-colega do curso de história Lina Albuquerque, que acompanhou Leilane todo o tempo em que permaneceu internada.

Ainda não há informações sobre velório e sepultamento.

Leilane Assunção era colunista da agência Saiba Mais desde a fundação do projeto, em 31 de agosto de 2017. Semana passada, em entrevista, agradeceu o carinho dos amigos, familiares e alunos, e se disse disposta a voltar a trabalhar e a retomar a coluna semanal.

Anúncios

Antecipou que falaria sobre os dias de tratamento e a importância do SUS.

Leilane Assunção era uma ativista. Primeira professora universitária transexual em História do país, lutava também pela descriminalização e legalização das drogas. Defendia que só a liberalização de todas as drogas poderia fazer frente e combater o tráfico e reduzir a mortalidade de pobres e negros nas periferias brasileiras.

Tinha orgulho do título de doutora em Ciências Sociais conquistado no país que mais mata LGBTs no mundo.

No título de mestrado, defendeu a tese sobre outra guerreira, a mineira Clara Nunes, trabalho que pretendia lançar em livro.

Leilane deixa a mãe e cinco irmãs.

Mais informações a qualquer momento.

Anúncios
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *