CULTURA

Iphan fará vistoria no edifício Arpege, mas alerta que responsabilidade pelo imóvel é do proprietário

Anúncios

Técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) farão uma vistoria no edifício onde funcionou a antiga boate Arpege, no bairro da Ribeira, em Natal (RN). Parte da estrutura desabou na madrugada deste domingo (21). Foi o terceiro desabamento do prédio nos últimos 12 anos. Em 2008 e 2011, parte do espaço também veio abaixo.

O casarão localizado no nº 161, na rua Chile, faz parte da memória afetiva da cidade. Naquele endereço já funcionou um armazém, uma gráfica e a lendária boate/cabaré Arpege. O espaço também já serviu de locação para dois filmes do cinema nacional, “For All- Trampolim da Vitória” (1998), de Luiz Carlos Lacerda, e “O Homem que Desafiou o Diabo” (2007)de Moacyr Goes.

Após contato da agência Saiba Mais, o Iphan enviou uma nota explicando que os técnicos do órgão farão uma vistoria no local e lembrou que “em maio deste ano, conforme sugerido anteriormente em parecer da Advocacia Geral da União (AGU), o Instituto concluiu os estudos preliminares para licitar os serviços de consolidação e estabilização do imóvel para evitar um iminente arruinamento”.

O imóvel foi comprado em 2005 pela empresária carioca Paula Homburguer. Embora tenha o casarão tenha sido tombado em 2010, o Iphan reitera na nota que “o tombamento não retira do proprietário a responsabilidade pela conservação e manutenção do imóvel”, diz.

A agência Saiba Mais ainda não conseguiu contato com a dona do imóvel.

Leia a nota na íntegra:

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) está acompanhando o incidente ocorrido no antigo Edifício Arpege e fará uma vistoria no local nesta segunda-feira, 22 de junho, a fim de tomar as providências necessárias e competentes à instituição. 

Em maio deste ano, conforme sugerido anteriormente em parecer da Advocacia Geral da União (AGU), o Iphan concluiu os estudos preliminares para licitar os serviços de consolidação e estabilização do imóvel para evitar um iminente arruinamento. 

Além disso, nos últimos anos, dentro de sua competência legal, o Instituto vinha acompanhando o estado de degradação do edifício, com fiscalizações contínuas no local e tentativas de contato com a proprietária do imóvel para que as devidas providências fossem tomadas.

O edifício está localizado na rua Chile, no bairro Ribeira, em área tombada pelo Iphan como parte do Conjunto arquitetônico, urbanístico e paisagístico de Natal (RN). 

Nesse sentido, é importante destacar que a responsabilidade pela conservação, gestão e pelo uso dos bens – sejam eles públicos ou privados – é de seus proprietários. O tombamento não retira do proprietário a responsabilidade pela conservação e manutenção do imóvel.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *