CIDADANIA

“Isolamento social precoce é a única medida capaz de mudar o ritmo da epidemia”, alerta infectologista

Anúncios

O médico infectologista Alexandre Motta alerta para a importância da quarentena e defende o isolamento social precoce como única alternativa capaz de conter o avanço da epidemia do Coronavírus no Brasil.

Abaixo, relato enviado pelo médico:

“Bom dia amigos e amigas,

Cedo aprendi no curso médico que o remédio certo na hora errada é o mesmo que não tratar.

Na quinta-feira (19), uma publicação de uma importante revista científica internacional (Science) afirmou que mais de 70% das transmissões do Coronavírus ocorrem por portadores assintomáticos. Isso significa dizer que isolar pessoas com sintomas, ou aquelas que tiveram contato com outros doentes, não é suficiente para conter o avanço da epidemia.

A experiência positiva de países asiáticos que adiantaram o isolamento social, e a experiência EXTREMAMENTE negativa de países europeus como Itália e Espanha que ATRASARAM o isolamento social, demonstram: o isolamento social PRECOCE é a única medida capaz de mudar o ritmo da epidemia.

Portanto, a sociedade precisa tomar essa decisão independente das decisões governamentais. Fiquem em suas casas!! Só saiam em situações absolutamente necessárias.

O ritmo da epidemia diminuindo, o sistema de saúde, público e privado, conseguirá aguentar o forte tranco que sofrerá. O contrário é mais que verdadeiro.

Para àqueles que alegam que o isolamento social só é possível para classe média e rica, que tem o sustento imediato garantido, não sendo possível aos pobres e precarizados deixar de buscar o sustento diário, afirmo que o argumento é válido mas não suficiente. Afinal, para comer é preciso, antes, estar vivo.

“Primeiro salvemos as pessoas, depois salvaremos a economia”. Penso que a sensatez dessa ideia deve nortear as ações de todos nós.

A vida das pessoas deve ser a prioridade!

Ademais, se não diminuirmos o ritmo da epidemia, serão os pobres que pagarão o maior preço pela sobrecarga do sistema.

Montemos desde já a rede de solidariedade para proteger essas pessoas (instituições, sociedade civil, entidades religiosas e filantrópicas). O momento é de comunhão nessa travessia.

Essa é uma doença sem vacina, sem remédio eficaz e a única medida capaz de SALVAR VIDAS é o isolamento social. É o que todos nós precisamos fazer agora.

Ou faremos agora, ou faremos com 10 dias após, com a epidemia sem controle.

Peço que compartilhem este texto com todos, principalmente com os mais pobres e mais vulneráveis em saúde,EM   CONJUNTO com o gráfico anexo,que é auto explicativo, sobre a transmissão da doença em relação ao isolamento social.

Um abraço a todos.
Alexandre Motta Câmara
Médico Infectologista

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *