DEMOCRACIA

Joice Hasselmann chama Styvenson de “canalha” e confirma boletim de ocorrência e denúncia ao conselho de ética do Senado

Após ter apartamento funcional em Brasília invadido e ser agredida, a deputada federal Joice Hasselmann (sem partido-SP) está denunciando detratores que desacreditaram publicamente da história e criaram outras versões para o fato. Ela confirmou que prestará queixa na polícia contra o senador do Rio Grande do Norte Styvenson Valentim (Podemos-RN), que debochou da deputada, sugerindo que a causa da violência contra ela foi “chifre” ou “cocaína”.

– Abri um boletim de ocorrência contra o senador Styvenson, também vou levar o caso hoje mesmo ao conselho de ética do Senado. O senador Styvenson fez uma live em que me acusou de ter usado drogas. Eu sequer, jamais fumei um cigarro na vida. Então ele vai ter que provar e ele vai obviamente ser levado não só ao conselho de ética quanto à Justiça quanto haverá um pedido de indenização. Eu não vou aceitar canalhas como ele ou qualquer outro fazendo qualquer tipo de ilação”,

Joice Hasselmann logo após prestar depoimento. 

Essa é segunda vez em menos de três dias que Styvenson é alvo de denúncias envolvendo crimes contra mulheres. Em outra live recente, ele chegou a sugerir que uma mulher agredida por um policial poderia ter “merecido” levar “dois tapas bons”.

A deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) já havia anunciado que também acionaria Styvenson ao Conselho de Ética do Senado, em decorrência de manifestações machistas do parlamentar.

O cenário de violência doméstica contra a mulher é preocupante. Temos um governo federal que não investe em políticas de enfrentamento a essa questão, e discursos como o do senador só pioram a situação”, destacou.   

No início da tarde, em resposta a um internauta que expôs texto de um policial federal que se autodenomina “preto de direita”, Renée Venâncio, Joice disse que prestaria queixa nesta segunda-feira (16) contra um senador, dois deputados e “um guitarrista mal amado”, provavelmente em referência ao Youtuber bolsonarista Nando Moura.

A deputada disse ainda que pediria a prisão “do blogueiro presidiário” que mesmo na condicional tentou entrar na casa dela no domingo (25), sem esclarecer a quem se refere.

A reportagem tentou contato com a assessoria de comunicação de Joice Hasselmann, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

No final de semana, o senador Styvenson, que é capitão da Polícia Militar, debochou da deputada, ao insinuar que os machucados tenham sido causados pelo marido dela ou pelo uso de drogas.

“Aquilo ali, das duas uma. Ou duas de quinhentos [Styvenson leva as mãos à cabeça, fazendo chifres] ou uma carreira muito grande [inspira, como se cheirasse cocaína]. Aí ficou doida e pronto… saiu batendo em casa”, disse durante live no Instagram.

O marido da deputada federal Joice, o neurocirurgião Daniel França, nega qualquer possibilidade de ter agredido a mulher.

“Primeira coisa, eu nunca agredi ninguém, nunca dei um tapa em ninguém, nem um murro em ninguém. Segunda coisa, eu não tenho nenhum motivo para fazer isso, eu jamais faria isso. Então, é exatamente por esta razão que tudo o que eu pude fazer para tentar comprovar o contrário, eu estou fazendo. Fui espontaneamente à polícia prestar depoimento. Me coloquei inteiramente à disposição de tudo, da imprensa, de tudo”, afirmou França no domingo (25), em entrevista ao Fantástico, na Rede Globo.

Joice também usou as redes para dizer que pediria a prisão do bolsonarista Patrick Folena. “Ele, integrante dos milicianos do gabinete do ódio atua na farsa – já desmontada pela imprensa – criada no coração do GSI sobre meus ferimentos e agressões. Assim como bandidos travestidos de blogueiros e ativistas foram em cana, ele também irá.”, publicou a parlamentar.

A deputada informou pelas redes sociais que não levou o caso à Polícia Federal, porque o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “interferiu diretamente na PF para proteger corruptos, entre eles seu filho. O que não seria capaz de fazer para atacar um desafeto?”. Segundo ela, a Polícia Legislativa está cuidando do caso com apoio da Polícia Civil.

Demonstrações de misoginia

Em episódio semelhante, o senador Styvenson Valentim insinuou que a mulher agredida por um policial militar no interior Rio Grande do Norte neste mês de julho pode ter merecido a agressão. O crime foi cometido durante ocorrência a um caso de violência doméstica e a vítima estava com um bebê no colo quando caiu no chão ao ser espancada pelo agente do Estado. Os policiais que participaram da operação foram afastados por determinação da governadora Fátima Bezerra e a corporação abriu inquérito administrativo para apurar a conduta.

“Eu não tava na ocorrência. Eu não sei como foi. Como eu vou dar uma explicação de uma coisa que eu… Pelo vídeo aí, eu tô vendo que ele está dando dois tapa na mulher… uns tapa aí bom, na mulher. Agora, eu sei lá o que essa mulher fez para merecer os tapa, porra. Será se ela estava calada, rezando… o Pai Nosso para levar dois tapa? Eu num sei, porra… eu num sei!”

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *