OPINIÃO

Joyceanas

Era só começo o nosso fim. Nonada de conversa. Som e fúria. Lance de dados. Poeta mãe das armas. Rua real grandeza. Afinidade com o tempo. Cordas de aço. O pulso ainda pulsa. Tenho o mesmo segredo de malditos solitários. Mina rio correnteza. Me chama que eu vou. Beco drama da lama. Não sei dançar. Baila no meu coração. Eternamente são. Mergulho no nada. Redemoinho. A honradez dos chatos exaspera-me. Olhe o que eu fiz. Luz quero luz. Beco além do horizonte. Joyce dublinense. Amanhã outro dia. Dia lua sai ventania. Dentro de mim mora um anão barroco torto. Espuma ao vento. Lira de viagem. Arco e lira. Paz. Sonho na divina comédia. Beatriz. Beco colorido. Carnavalha. Era só começo o nosso fim.

 

Drops

Tempo perdido
Charles Bukovisky

Livro
Transblanco, Octávio Paz e Haroldo de Campos

Carnaval
Submarino Amarelo

Sacada
Todo cuidado é pouco com os inteligentes

Música
Noites Olindenses, de Carlos Fernando, na interpretação de Caetano Veloso

Vinheta
“E do mais tudo na mais perfeita paz”

 No Beco da Lama
“Gente é pra brilhar não pra morrer de fome”
(Wladmir Maiakovisk, Augusto de Campos)

 

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *