TRANSPARÊNCIA

Mãe de Fábio Faria ganha cargo na gestão Álvaro Dias e madrasta de Rogério Marinho é nomeada assessora de desembargador no TRT

Os ministros do Rio Grande do Norte no governo Bolsonaro estão esbanjando influência nos gabinetes dos poderes do Estado. Nesta terça-feira (19), a mãe do ministro das Comunicações Fábio Faria (PSD) foi confirmada na secretaria municipal de Esportes. Maria Nina Salustino de Faria volta a ocupar a secretaria-adjunta da pasta, onde trabalhou até dezembro do ano passado.

Ela foi denunciada pelo Ministério Público Estadual em outubro de 2020, acusada de receber sem trabalhar como funcionária fantasma na prefeitura de Parnamirim, entre 2009 e 2016. Na época, a mãe do ministro ocupava um cargo na Controlaria-geral do município.

Nina é ex-esposa de Robinson Faria, que governou o Estado entre 2015 e 2018.

A titular da secretaria também foi nomeada hoje. É Jódia Ferreira Santos de Melo Menezes, ex-atleta e árbitra da Federação Norte-riograndense de Ginástica. Ela é irmã do ex-presidente do América Alex Padang e ocupava a função de diretora de eventos na primeira gestão de Álvaro Dias. O cargo era ocupado por Cláudio Porpino, indicado pelo presidente da Câmara Municipal Paulinho Freire (PDT), e que esperava ser reconduzido ao posto.

Desembargador Eduardo Rocha, ministro Rogério Marinho e ministro da Justiça André Mendonça: veraneio em Natal / foto: cedida

Outra nomeação que repercutiu nas rodas de conversa da alta sociedade natalense recentemente foi da advogada e mestre em Direito Constitucional Isabel Helena Meira e Silva Cavalcanti Marinho. Ela é casada com Valério Marinho, pai do ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho, e foi convidada para assessorar o gabinete do mais novo desembargador do Tribunal Regional da 21ª Região, Eduardo Serrano Rocha. A nomeação saiu dia 10 de janeiro no Diário Oficial da Justiça.

Para chegar ao posto, Rocha teria contado com o apoio e a influência de Marinho junto ao presidente da República Jair Bolsonaro.

Ex-presidente do América, o advogado Eduardo Rocha havia ficado de fora da lista tríplice, mas ganhou a vaga após entrar com um recurso alegando que o então presidente do TRT Bento Herculano não tinha isenção para escolher entre os concorrentes porque uma das candidatas era ex-esposa dele.

Rocha ganhou o recurso e foi nomeado por Bolsonaro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *