CULTURA

Mares meus: potiguar Yrahn Barreto lança clipe de música em parceria com Zeca Baleiro

“Mares meus” – primeiro fruto da parceria entre o cantor e compositor potiguar Yrahn Barreto com o maranhense Zeca Baleiro – remete aos múltiplos sentimentos que cada um carrega em si, seus mares internos. A metáfora originou a música, disponível em plataforma de streaming, e um clipe artesanal lançado nesta terça-feira (18).

O vídeo está disponível no Youtube e teve direção, roteiro e edição da produtora executiva e companheira de Yrahn, Jamilly Mendonça. Ela também captou as imagens, assim como a esposa de Baleiro, a fotógrafa Mara Fernandes, filmou o cantor.

“Realizamos o clipe respeitando as normas de isolamento, sem equipe nem aglomeração. Cada artista gravou a suas cenas, suas companheiras foram as videomakers. No clipe fica registrada a essência do álbum ‘Som no Isolamento’ que vem por aí, com produção remota”, contou Jamilly, que se inspirou também na obra da poetisa Zila Mamede para criar as cenas.

Tudo a ver com a letra, segundo o compositor do RN. “A canção tem atmosfera de encanto, coragem, tristeza e calmaria, com numa poesia de Zila Mamede, triste e belo! Mares meus, fala do plural de mares que há dentro de nós”, resumiu.

O vídeo reúne imagens de Zeca, feitas em casa, e de Yrahn na praia de Tabatinga, em Nísia Floresta.

“A poeta expoente maior da poesia potiguar no século XX, que tanto mencionou o mar em sua obra e que tragicamente morreu afogada, em 1985. Essa é uma das referências que busquei para o clipe. A estética audiovisual do período da pandemia também está presente”, detalhou, lembrando que enquanto produzia o trabalho, abriu ao acaso um livro de Zila na página do poema “Canção do afogado”, que tem também relação com o mistério da morte dela.

Som no Isolamento e parcerias

O novo álbum de Yrahn terá produção artística assinada por Zeca Baleiro e participações de outros nomes, como Climério Ferreira, Chico César e Jubileu Filho. O trabalho será lançado dia 4 de junho, com o single recém apresentado ao público, além de outro com o novo parceiro, “Se eu fizer uma canção”. Há ainda uma terceira música inédita da dupla.

O encontro dos dois foi virtual. Eles se conheceram no festival Sérgio Sampaio, realizado em homenagem ao cantor capixaba em Vitória (ES) em 2020, remotamente. “Zeca me viu tocar e daí nossa afinidade com a obra do Sérgio Sampaio fez fluir nossa amizade e parceria, trocamos mensagens e trechos de canções inacabadas que um e o outro foi completando, daí surgiram as composições”, lembrou o cantor.

“Som no Isolamento” será lançado pelo selo DoSol. “Recebi o convite do Anderson Foca para lançar o disco pelo selo. As gravações, pré-produção e pós-produção foram feitas nas nossas casas. Gravei voz no estúdio Sérgio Farias e bateria no estúdio da Beju Produções, com Jubileu Filho. A gente gravava e enviava para Walter Costa no Rio de Janeiro para mixagem e masterização”, contou, detalhando que todo o processo.

Será o quarto álbum do potiguar, que já lançou “Geração” (2014), “Ao Gosto do Anjos” (2015) e “Eu e a Máquina” (2018), e se define como “cantautor”.

Confira o clipe de “Mares meus”:

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais