OPINIÃO

Meu amigo Binho

Anúncios

Binho, onde você vai nem sempre eu vou. E tudo bem. Sua juventude me encanta, amigo, mas não consigo lhe acompanhar sempre. Talvez você seja a pessoa mais jovem do meu pequeno e singelo círculo social. Não em idade numérica, mas sim nessa mocidade que salta aos olhos e que resiste até ao seu repetitivo guarda-roupa composto basicamente por camisa polo, bermuda jeans e chinelo (ou um sapatênis).

No entanto, isso é fato besta. Voltemos ao assunto. Toda vez que você vem até mim e me pede para lhe ensinar algo, porque a vida é séria e a guerra é dura, eu tento lembrá-lo de viver suas loucuras, mesmo as mais bestas, e jamais deixar de lado isso de pensar sobre o mundo e sobre o universo que é cada um de nós.

Sabe, Binho, é como já disse a moça no clipe do Michael Jackson: “Michael, Michael, eles não ligam pra gente!”. A cada dia eles ligam menos pra gente. Por isso bate um desespero vez ou outra. E nessas horas eu queria ser mais como você. Rápido, sagaz sem ser um biltre, apenas um perito em ilações. Gastei as palavras difíceis por hoje. Não, não sou careta, talvez um pouco certinha, mas sossegue, o mundo também precisa dos certinhos.

E já pondo a veste dos conselheiros, preciso lhe dizer: Não tenha medo do mundo. Há tanto a se descobrir. São tantos caminhos. Talvez você coloque o seu coração em muitos desses lugares. Ame seus pais, sua família, seus amigos. Acredite, sempre falta um encontro a mais, uma conversa a mais, uma risada a mais. Ah, é possível que muita coisa dê errado.

Anúncios

Então busque paciência, aprenda a perder, seja uma boa pessoa, ignore os coachs. Quando você perceber, estará completamente impregnado de sabedoria. E isso lhe fará um pouco triste, é inevitável. Assim como é inevitável a incompletude da vida, diante da qual só nos resta seguir.

Binho, onde ‘cê vai eu também vou. Bom, pelo menos às vezes sim. Acredite, tem dias que não tenho nada a dizer, por isso fico quieta, o que é também uma forma de dizer muito. Mas calma! Engula o choro, os sapos e sossegue. Não estou aqui para mudar sua vida. Só quero dizer algumas palavras. Posso ir com você?

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Ana Clara Dantas
Ana Clara Dantas é jornalista e escreve às sextas-feiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *