CULTURA

Moradores do bairro de Lagoa Azul reivindicam pólo multicultural no Carnaval de Natal

A folia momesca na cidade de Natal está se tornando uma das mais famosas do Nordeste. Conhecida pela sua tradicional micareta fora de época, a cidade ganha cada vez mais espaço e fama durante o Carnaval. Shows, blocos de rua, apresentações locais e desfiles de escolas de samba fazem parte da programação nos pólos espalhados pela capital.

Tradicionalmente, a folia de Natal acontece em cinco polos já conhecidos – Ribeira, Redinha, Ponta Negra, Centro Histórico e Rocas – e no último ano contou com o acréscimo de mais um bairro como pólo, o do Alecrim, totalizando assim 6 pontos de folia durante o Carnaval. Entretanto, moradores da Zona Norte reivindicam atenção para o lado mais populoso da cidade, ainda que atrações nacionais como Iza e Alceu Valença já estejam confirmadas.

Um abaixo assinado foi criado pela organização popular Casa de Mídia, situada no bairro de Lagoa Azul, em que reivindicam a criação de um Pólo Multicultural no estacionamento do Ginásio Nélio Dias durante o carnaval de 2020.

“A população do bairro Lagoa Azul e adjacências sofre com um alto índice de vulnerabilidade social, existe um vácuo cultural muito grande nessa área durante os dias de carnaval”, diz parte do texto da petição direcionada ao Secretário de Cultura do Município de Natal, Dácio Galvão.

Para a professora e moradora do bairro, Maria Rita de Oliveira, a Zona Norte tem um grande potencial de desenvolvimento para um novo pólo cultural, caso receba devida atenção e investimento.

“Acreditamos que precisamos e merecemos maior visibilidade, queremos que o carnaval daqui valorize artistas locais e também a população. É notável a diferença entre as festas e atrações nos pólos do Centro e Zona Sul, lugares nobres da cidade, tem uma estrutura que não chega aqui. Não é porque existe aqui uma população de baixa renda que essas pessoas não usufruem da cultura“, argumentou.

Frente à necessidade de fomentar a cultura local, o abaixo assinado requer um pólo com artistas exclusivamente potiguares e atrações da própria Zona Norte no estacionamento do Ginásio Nélio Dias, mantendo a mesma estrutura dos demais pólos e normas de contratação dos artistas. O Nélio Dias é, geralmente, um dos pólos de atrações durante o Natal em Natal.

A Bibliotecária Lailde da Silva observa que existe um descaso social, estrutural e cultural em bairros da Zona Norte, esquecida pelo poder público em diversos aspectos. “O carnaval é uma festa importante para a comunidade, caso tenhamos um espaço em toda essa festa os recursos do município seriam distribuídos de forma mais justa. Além do mais, a população daqui que não tem condições de ir até outros lugares mais distantes também poderia se divertir”, diz Lailde.

O abaixo assinado conta até então com 233 assinaturas, tendo como meta 500 adesões. O documento foi protocolado junto à Fundação Capitania das Artes, responsável pela organização do Carnaval local.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *