CIDADANIA

Natal é a capital do Nordeste mais atrasada na vacinação dos trabalhadores da educação 

Durante esta semana, Natal vacina os trabalhadores da educação que atuam no ensino Fundamental I e II. Até o momento, a Prefeitura da capital não divulgou um calendário de vacinação a longo prazo, nem quando deve ocorrer o avanço na imunização do grupo. Uma demora que tem preocupado professores, principalmente, pela falta de transparência no processo de vacinação.

O que temos recebido de informação, informalmente, é de que há uma dificuldade de acertos entre a UFRN e a própria Prefeitura que não tem andando com o calendário de vacinação da Educação, que está no Plano Nacional de Imunização. A priori, o impasse está nessa negociação, pois a Prefeitura de Natal ainda está no início da aplicação das primeiras doses em profissionais do ensino fundamental, que é só o segundo grupo na ordem prevista de vacinação. Antes de vacinar os profissionais da Educação Superior, ainda deverá passar pelo ensino médio. Temos a impressão de que há uma naturalização ao desrespeito às prioridades definidas nacionalmente. Em outros Estados, servidores técnico-administrativos, terceirizados, bolsistas, estagiários e docentes de universidades federais estão recebendo ou receberam a primeira dose, e, até agora, somos a única capital do nordeste que não tem uma sequer sinalização transparente do que é direito e dever da prefeitura. Por que a Educação não é prioridade da gestão atual da prefeitura? Porque observamos a cobrança ao retorno presencial, mas o que é de direito não está sendo cumprido”, critica Lívia Cirne, professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Em março, a Câmara Municipal de Natal aprovou um projeto que incluiu escolas públicas e privadas entre as atividades essenciais. O autor foi o vereador Klaus Araújo (SD), um dos principais defensores da reabertura das escolas durante a pandemia. Enquanto isso, em outras cidades, os gestores optaram por acelerar a vacinação para garantir um retorno seguro. São Luís (MA), por exemplo, é a capital com maior cobertura vacinal contra a covid-19, com uma taxa de 96,64% da população vacinada.

Os trabalhadores da educação foram incluídos no Plano Nacional de Imunização em 28 de maio de 2021, mas alguns estados, como Bahia e Maranhão, anteciparam a imunização do grupo antes mesmo da oficialização da data.

“Servidores da UFMA e da UFBA começaram a ser vacinados em maio. Temos conhecimento de que funcionários de instituições de ensino públicas e privadas do ensino básico, médio e superior receberam a primeira dose na capital da Paraíba, Maranhão, Bahia, Alagoas, Sergipe, Piauí, Pernambuco e Ceará, sem que essa prioridade interrompesse a vacinação de outros grupos em paralelo. Apenas Natal está fora do calendário, sem nenhuma explicação e isso precisa ser questionado severamente”, alerta Lívia.

Membros de outros departamentos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, também questionaram a demora para o avanço da vacinação dos trabalhadores da educação em Natal.

“Causa espanto, por exemplo, que outros municípios do Estado do RN, como Mossoró e Parnamirim, já tenham iniciado a vacinação de professores universitários e que a capital não tenha divulgado sequer a data para início da vacinação dessa categoria. O que dá causa a essa demora? Qual a explicação para que a categoria, já contemplada no PNI, não tenha ainda nenhuma perspectiva de quando começará a ser imunizada?“, pergunta Mariana de Siqueira, Chefe do Departamento de Direito Público da UFRN.

Ao ser questionada sobre a demora para o avanço da vacinação dos trabalhadores da educação, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de Natal informou que a mudança de categoria só não aconteceu porque o município não recebeu as doses que chegaram ao RN nesse último domingo (20). No entanto, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) rebateu essa informação e garantiu que as vacinas da Astrazeneca/Fiocruz já estavam comprometidas como segunda dose (D2) para fechar o esquema vacinal dos idosos e membros das forças de segurança pública, que tomaram a primeira dose há cerca de três meses e, agora, precisarão completar o esquema vacinal. Fato, que já era de conhecimento do município, de acordo com a Sesap.

Por causa da pandemia, as aulas presenciais foram suspensas no RN em março de 2020 e em maio deste ano o Governo do Estado encaminhou à Justiça um plano de retorno gradual, híbrido e facultativo às atividades presenciais, porém sem uma data certa para o retorno. Já num decreto publicado pela Prefeitura de Natal, também no mês de maio de 2021, foi autorizado o retorno às aulas presenciais do ensino fundamental, infantil e médio das escolas da rede privada de Natal. No caso do ensino superior, o Ministério da Educação homologou em dezembro de 2020, autorização de ensino remoto durante todo o período em que durar a pandemia.

Em nenhum momento a educação parou. Estivemos o tempo todo em trabalho remoto, sendo forçados a nos adaptar a um cenário desconhecido e sofrendo todos os tipos de ameaças infundadas, menosprezando nossa atuação, inclusive, por parte da sociedade civil que acaba sendo inflamada por grupos políticos com interesses escusos que tentam descredibilizar o ensino público gratuito e de qualidade. Creio que, de maneira geral, pesquisas e projetos de extensão que exigem contato mais próximos com a comunidade acadêmica. Houve um esforço significativo dos docentes para remodelar algumas dinâmicas de ensino, pesquisa e extensão, isso é muito louvável, porque é consensual que a educação é uma atividade essencial. Mas, falta a prefeitura decidir se de fato é. E cabe às instituições de ensino pressionarem com fervor”, defende a professora Lívia Cirne, que atua no Departamento de Comunicação Social da UFRN.

Vacinação dos trabalhadores da educação em Natal:

GRUPO: Ensino Fundamental I e II

LOCAL: Palácio dos Esportes, Ginásio do Expansivo e Ginásio do Instituto Sagrada Família

Como está a vacinação dos trabalhadores da educação nos 9 estados do Nordeste:

MARANHÃO: São Luís vacina pessoas entre 18 e 19 anos sem comorbidades;

PIAUÍ: Em Teresina, foram vacinados trabalhadores da educação que atuam na capital no ensino básico, médio e superior, com idade entre 18 e 39 anos. Quem perde o prazo por lá, precisa agendar a vacina pelo site da prefeitura;

CEARÁ: Em Fortaleza, a vacinação dos profissionais dos trabalhadores da educação começou pela sequência em ordem decrescente de idade e por área de atuação: creches, pré-escolas, ensinos fundamental, médio e profissionalizante, além de Educação de Jovens e Adultos (EJA), e Ensino Superior. Mas, desde o início de junho, a capital cearense e outros 160 municípios já estão vacinando a população geral por idade, acima dos 18 anos;

PARAÍBA: Desde 31 de maio, os trabalhadores da educação do ensino superior com 30 anos ou mais começaram a ser vacinados em João Pessoa;

PERNAMBUCO: Desde maio, trabalhadores da educação que atuam no ensino superior podem agendar a vacinação. Em Recife, estão sendo vacinados todos os grupos prioritários e pessoas com 43 anos ou mais;

ALAGOAS: Em Maceió estão sendo vacinados os trabalhadores da educação do ensino básico e superior com 50 anos ou mais;

SERGIPE: Desde 12 de junho, a Prefeitura de Aracaju começou a vacinar contra covid-19 os trabalhadores da educação que atuam nos ensinos Superior, Profissionalizante e na Educação de Jovens e Adultos. Além deles, a cidade também vacina os grupos prioritários e pessoas com 48 anos ou mais;

Bahia: Ainda em abril, trabalhadores da educação que atuam no ensino superior com 40 anos ou mais começaram a ser vacinados contra covid-19 em Salvador. Em maio, já estavam sendo vacinados os profissionais com 18 anos ou mais;

Rio Grande do Norte: Natal vacina trabalhadores da educação que atuam no Fundamental I e II durante toda esta semana.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo